Henrique Sá Pessoa ganhou mais uma estrela... a Damm

O chef de o Alma é o novo embaixador da cerveja catalã Estrella Damm. Henrique Sá Pessoa vai ter um ateliê em Marvila para testar receitas e sabores

Criar pratos dignos de estrela Michelin não é fácil. É preciso um misto de arte, ciência e engenho e já agora um espaço para testar aromas, sabores, combinações que façam vibrar o palato. Henrique Sá Pessoa vai ter um ateliê para testar o que lhe vai no Alma.

“O ateliê será a minha base, onde terei todo o meu trabalho catalogado e onde me irei dedicar à pesquisa de novas receitas/projetos para poder aplicar nos meus espaços, nomeadamente o Alma, onde a intervenção criativa tem mais expressão”, conta Henrique Sá Pessoa. O chef estrela Michelin acaba de ganhar uma nova estrela: é o embaixador de marca da Estrella Damm.

No espaço de 150 m2 em Marvila, Henrique Sá Pessoa vai ainda organizar eventos especiais, como workshops e “eventos pontuais e exclusivos” que vão “salvaguardar a viabilidade financeira e o retorno de investimento do ateliê”, diz, sem revelar o investimento nesta nova aposta. Para garantir a viabilidade financeira do ateliê, contou com a Estrella Damm, a marca de eletrodomésticos Gaggenau e a Margrés, bem como a Nespresso e a Pernord Ricard, presentes em “algumas das iniciativas que estamos a preparar”.

A Estrella Damm tem levado para o seu universo outros chefs Michelin: como Ferran Adrià, do El Bulli, que desenvolveu a cerveja Inedit. A ligação entre a cerveja catalã e a alta cozinha “é um dos eixos que constrói o ADN da marca, pelo que em Portugal fez ainda mais sentido”, justifica Vanessa de Saraiva e Germano, brand manager da Estrella Damm. “A gastronomia portuguesa está a ser revelada ao mundo e este crescimento e visibilidade para o exterior permite identificar alguns players de destaque.”

Para a Estrella Damm, o chef vai criar no ateliê “momentos únicos onde a alta gastronomia - e não só - estará em destaque com a presença de chefs convidados, com liberdade para criarem menus exclusivos que serão apresentados, sempre com a preocupação de uma maridagem perfeita”, descreve Henrique Sá Pessoa.

Quando, em 2012, começou a ser comercializada em Portugal pela Sumol+Compal, a marca queria vender 20 milhões de litros em cinco anos. “Apesar de não termos atingido o objetivo inicial, tanto a Sumol+Compal como a Damm, estamos muito satisfeitos com os resultados alcançados”, diz Vanessa de Saraiva e Germano. A ‘chegada’ da marca apanhou os anos da crise na economia nacional - em três anos (2013-2016) o consumo de cerveja caiu 4% em volume e 3% em valor, recorda a brand manager, citando dados Nielsen. “A Estrella Damm consegue crescer com significado num ambiente de perda e extremamente aguerrido”, diz, sem adiantar valores.

“O crescimento da categoria de cervejas abrandou nos meses de julho e agosto, situando-se agora nos 5,9%”, refere Vanessa de Saraiva e Germano (Nielsen/agosto). “Mesmo mantendo este nível de crescimento será efetivamente o maior dos últimos anos. A Estrella Damm continua a apresentar crescimentos muito acima da média do mercado e esperamos continuar”, diz. Para isso, vão entrar no retalho. “Perante os objetivos de crescimento que temos em mente estamos já a trabalhar o canal retalho, com foco na presença de marca em topos, espaços próprios e campanhas específicas.”

Nem o aumento de 1,5% do imposto sobre a cerveja, previsto no OE 2018, desanima a marca. “É um fator externo que abala qualquer plano”, admite. A resposta? “Cimentar a estratégia que definimos” e no imediato “manter o foco na gastronomia”, com o Estrella Damm Gastronomy Congress, em Lisboa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de