Marketing

Isabel Silva da TVI entrega gestão da presença digital a nova agência Kabrio

Isabel Silva

Fotografia: D.R.
Isabel Silva Fotografia: D.R.

Nova agência de marketing de influência entra no mercado. Kabrio quer faturar cerca de 50 mil euros até ao final do ano

Isabel Silva, apresentadora da TVI, entregou a gestão da sua presença digital à Kabrio, nova agência de marketing de influência, que tem como sócios Andreia Amaro (ex-Grupo Wat) e Ricardo Martins Pereira, o autor do blogue O Arrumadinho.

A co-apresentadora de Apanha-me Se Puderes e autora do blogue I am Isabel Silva é uma das agenciadas da nova agência de marketing que já tem na sua rede de influenciadores os atores Soraia Tavares e Igor Regalla ou a comediante e repórter do 5 para a Meia Noite (RTP) Mónica Vale de Gato.

“Até ao final do ano queremos garantir a coesão e sustentabilidade do negócio, aumentar a nossa rede de influenciadores em 50%, pelo menos, e atingir um volume de faturação de 50 mil euros”, adianta Andreia Amaro, diretora-executiva da Kabrio, ao Dinheiro Vivo. “Acreditamos é que o que nos trará negócio é a nossa forma de trabalhar, aquilo que oferecemos aos nossos influenciadores, que é algo que vai muito além da negociação de parcerias ou do acompanhamento dos agenciados a eventos.”

Em termos de serviços, a nova agência vai apostar na “conjugação e interação dos métodos tradicionais (relações públicas) e o poder do universo digital (marketing de influência)”, de modo a “garantir a eficácia da comunicação das marcas junto dos seus targets”.

Andreia Amaro explica qual vai ser a abordagem da Kabrio aos desafios colocados pelas marcas. “Com base nos objetivos de cada marca, elaboramos a estratégia mais adequada e eficaz (que pode ter uma base nas relações públicas e assessoria de imprensa ou no marketing de influência ou um mix dos dois), e conectamo-la, através da nossa rede, com os melhores media channels, influenciadores digitais, bloggers ou criadores de conteúdos”, descreve. “Trabalhamos, assim, para atingir o perfect match entre marca e o mensageiro, de modo a impactar assertivamente o target dos vários negócios, e asseguramos todo o processo de idealização de campanha até à sua implementação, o que vai desde o pensamento e criação do conceito criativo até ao relatório e análise de resultados”.

Como a Kabrio quer abordar o mercado

Mas sendo este um mercado crescente, o que a Kabrio vai trazer de diferente? “A Kabrio quer envolver-se na discussão do conteúdo desde o brainstorming inicial até à revisão final do conteúdo produzido pelos nossos influenciadores”, frisa a diretora executiva.

A agência diz querer afastar-se de um metódo de trabalho em que as agências limitam-se a atuar como meras sales houses, fechando relações comerciais entre marcas e influenciadores, em que estes assumem a “quase em exclusivo” a responsabiliodade da criação do conteúdo. “E o resultado final, muitas vezes, não é o melhor, porque é uma cabeça a pensar, duas mãos a executar e um rosto ou corpo a servir de modelo. E achamos que não deve ser assim.”

“A Kabrio quer envolver-se na discussão do conteúdo desde o brainstorming inicial até à revisão final do conteúdo produzido pelos nossos influenciadores. É por isso que apostamos numa equipa que integra especialistas na criação de conteúdo, na definição de estratégia digital e temos ao nosso serviço pessoas capazes e com experiência para ajudar os nossos influenciadores a criarem os melhores conteúdos, sejam em texto, em fotografias ou em vídeo”, diz. “O nosso foco central não é o de fechar negócios, é o de apresentarmos conteúdo de excelência para que as marcas fiquem satisfeitas com os resultados e os influenciadores orgulhosos do trabalho que produziram.”

“Quando o cliente nos aborda apenas para que os possamos ajudar a desenvolver uma campanha digital, as estratégias que desenvolvemos têm sempre (ou quase sempre) digital influencers como atores principais e podem materializar-se em campanhas de redes sociais ou até em ativações de marca. O que garantimos sempre é o máximo de impacto na passagem da mensagem da marca”, reforça.

Compra de seguidores é problema para desenvolvimento do negócio?

A agência surge num momento em que o real papel de influenciador dos YouTubers ou estrelas do Instagram tem vindo a ser questionado, com crescimento de números de seguidores impulsionados pela compra. Isso tem tido impacto junto das marca? Andreia Santos desvaloriza o fenómeno. “As marcas estão, cada vez mais, conscientes de que o número de seguidores não é o mais relevante, mas sim a qualidade do conteúdo produzido e a qualidade da interação, que não se mede só por likes, mas sobretudo por alcance, comentários, perguntas”, começa por referir

“O número de seguidores é importante, mas deixou de ser o mais relevante, porque não é isso que vai influenciar objetivamente as pessoas na decisão de compra. As pessoas comprarão um produto de que um influenciador fala se, primeiro, ouvirem o que ele tem a dizer sobre esse produto, e esse primeiro passo é muitas vezes desvalorizado. Não nos adianta de nada chegar a uma pessoa se ela não vai ouvir ou compreender a mensagem, por isso, a qualidade do conteúdo é tão importante”, diz.

Por isso, diz, a Kabrio prefere “trabalhar com influenciadores com menos seguidores, mas com credibilidade e um posicionamento numa área onde são efetivamente influenciadores, do que pessoas com centenas de milhares de seguidores, mas com uma taxa efetiva de influência próxima do zero”.

“A compra de seguidores começa a ser visível e identificável também pelas marcas, e estes perfis acabam por ser colocados de lado pois não trarão retorno e serão um mau investimento para as marcas. As marcas não querem só uma sala cheia, querem que se vibre com o espetáculo, que se aplauda e que transpire emoções, e isso não se consegue com compra de lugares (de seguidores, entenda-se).”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Lisboa,19/06/2015- Daniel Traça , Diretor da Faculdade e Professor de Economia, na Nova Business School, Campus de Campolide.
(Paulo Spranger/ Global Imagens)

“Parte da contribuição para a S.S. devia poder ser usada para formação”

( Gustavo Bom / Global Imagens )

Venderam-se mais 79 casas por dia até junho, 7 novas

Fotografia: Leonardo Negrão/Global Imagens

Patrões dizem não a subida do salário mínimo que vá além dos 600 euros

Outros conteúdos GMG
Isabel Silva da TVI entrega gestão da presença digital a nova agência Kabrio