Millennials of New York: as caras e a sátira à geração

"Eu compro bilhetes para concertos e posto-os no Instagram antes de os revender para as pessoas pensarem que tenho vida social. Mas, na realidade, nunca tive. Só que tive gente a perguntar-me porque é que eu nunca postava fotografias dos festivais onde ia e eu respondi: 'Eu deixo a máquina em casa porque a realidade não devia ser vista através de uma lente'."

O excerto é da legenda de uma das trinta publicadas no perfil de Instagram do Millennials of New York, um projeto satírico sobre histórias de millennials a viver na cidade.

Os humoristas Alec MacDonald e Connor Toole já eram fãs do projeto Humans Of New York quando decidiram criar uma versão deles em tom crítico e satírico. Fundaram o Millennials of New York, uma conta de Instagram e de Facebook que se dedica a dar a conhecer as caras e as hjistórias caricatas da cidade, em particular na geração Milénio.

Leia mais: O que quer a geração dos anos 80 das marcas? Que os ajudem

Nas duas plataformas, os humoristas contam e satirizam as histórias que dão a conhecer. Mas MacDonald rejeita que se trate de um processo de "ódio aos millennials". "Trata-se de satirizar áreas da juventude moderna e da cultura da internet", esclarece, em entrevista à Vogue americana.

Leia mais: Não gosta que lhe chamem "millennial"? Experimente esta aplicação

A obsessão por comida orgânica, as barbas dos hipsters e trabalhos como "caça-memes" são alguns dos temas retratados nas páginas do projeto. Mas, ao mesmo tempo que se satiriza uma geração, MacDonald considera que também é possível elogiá-la. "Uma pessoa não pode mudar-se para Nova Iorque a menos que não tema falhar. Penso que é por isso que tenho tido sucesso: não tenho medo de ter que pedir aos meus pais dinheiro quando preciso."

Leia mais: Geração Milénio. Prometeram-lhes um mundo que chega a conta-gotas

Quanto às histórias, não é certo que sejam completamente verdadeiras. O co-fundador do projeto diz que começaram até por entrevistar os amigos. "As pessoas são amáveis o suficiente para nos deixarem escrever coisas más sobre elas".

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de