Marketing

Rock In Rio. EDP deixa de ser patrocinador em Portugal e Brasil

Decorre no Parque da Belavista o segundo dia da 8ª edição do Rock in Rock in Rio Lisboa.


(Sara Matos / Global Imagens)
Decorre no Parque da Belavista o segundo dia da 8ª edição do Rock in Rock in Rio Lisboa. (Sara Matos / Global Imagens)

A EDP deixou cair o patrocínio às edições portuguesa e brasileira do RiR. Marca deixou de ser name sponsor do Beach Party

A EDP deixou de patrocinar o Rock In Rio, festival ao qual estava associado desde 2013 tanto no mercado português, como brasileiro. EDP mantém associação como patrocinadora a outros festivais onde é name sponsor e realiza ativações. O EDP Beach Party foi outro dos festivais que a empresa deixou cair o patrocínio este ano.

“A EDP decidiu não estar presente na próxima edição do Rock in Rio. Tendo em conta o orçamento disponível e os valores envolvidos na proposta de patrocínio, a EDP optou por fazer, à semelhança dos anos anteriores, uma gestão eficiente do investimento na área da música, na qual aposta desde 2007, de forma a potenciar os eventos a que dá nome ou em que existe um palco associado à marca com comunicação própria”, diz fonte oficial da empresa quando contactada pelo Dinheiro Vivo.

A “energia oficial da música” chegou, pela primeira vez, em 2013 ao Rock in Rio no Rio de Janeiro e em 2014 a Lisboa. A companhia chegou ainda a patrocinar a única edição do Rock In Rio nos Estados Unidos, que decorreu em 2015 em Las Vegas.

A companhia mantém no entanto a sua associação a outros festivais, como o NOS Primavera Sound, o NOS Alive, o Super Bock Super Rock, EDP Cool Jazz, EDP Vilar de Mouros, Meo Sudoeste.

O Beach Party foi outro dos festivais que a EDP deixou cair o patrocínio este ano. À semelhança do que aconteceu com o RiR, também aqui a Galp surge como patrocinador da edição do festival de verão que se realiza na Praia Do Aterro Norte, em Matosinhos, de 28 a 29 de junho.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Rock In Rio. EDP deixa de ser patrocinador em Portugal e Brasil