Dinheiro Vivo TV

Supermarcas, precisa-se

A carregar player...

Nuno Fernandes Thomaz (Centromarca) e Nuno Vasconcellos (CIP) comentam sobre o que falta para haver mais Supermarcas nacionais

Num mundo recheado de insígnias e onde estudos apontam que, se mais de 70% das marcas desaparecessem os consumidores não sentiam a sua ausência, o que falta ao tecido empresarial português para haver mais supermarcas?

“Falta termos mais marcas portuguesas. Que nós consigamos trazer aos produtos portugueses marcas que acrescentem ainda mais valor a esses produtos”, defende Nuno Fernandes Thomaz, presidente da Centromarca, à margem da cerimónia de entrega dos prémios Superbrands.

“As marcas são um passo fundamental da economia. Um passo em que ainda estamos lentos a dar em vários setores”, diz João Vasconcelos. “As marcas são essenciais para a indústria, quem detém a marca é que tem o maior valor”, diz o antigo secretário de Estado da Indústria.

“Em muitos dos setores o valor está na marca mais do que na produção e nós ainda não entendemos isso. Temos muito poucas marcas nacionais a vingar lá fora”, refere o membro do Conselho Estratégico para a Economia Digital da CIP. “É histórico. Os nossos produtos vingam mais pela qualidade, pelo preço, do que pela marca. É um caminho que temos de fazer, porque é o caminho que vai salvar no futuro, felizmente longínquo espero eu, grande parte dos nossos setores mais tradicionais.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Acionistas do Millennium BCP à chegada para a assembleia-geral anual, nas instalações do banco no Taguspark, em Oeiras, 22 de maio de 2019. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Acionistas do BCP aprovam dividendos e compensação de trabalhadores

(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Comissão de Trabalhadores exige integração da EMEF na CP

Novo Banco. Foto: REUTERS/Rafael Marchante/File Photo

Call-center no Novo Banco passa a ser externo. Trabalhadores saem do banco

Outros conteúdos GMG
Supermarcas, precisa-se