Opinião

5 boas notícias em tempos muito difíceis

Jayme Kopke

É possível encontrar boas notícias num tempo como o que estamos a viver?

É a pergunta que me tenho feito ultimamente. Sem boas notícias, sem algo na realidade em torno que me inspire alguma gratidão, fica difícil levantar da cama e cumprir o que cada dia exige. E estes, como sabemos, são dias exigentes.

Fui então à procura de boas notícias, oportunidades, a metade cheia do copo, e isto foi o que, para já, encontrei.

1. Empresas, lojas, edifícios estão fechados. A sua cabeça não

É daqueles velhos clichés: os desafios puxam por nós, o ideograma chinês para crise é o mesmo que para oportunidade… Pois então: queria uma crise para se fortalecer? Cá está ela.

Para boa parte de nós, saudáveis e “apenas” impedidos de nos movermos, a boa notícia é que a pandemia tolhe muitas atividades, mas não nos tolhe a criatividade ou a iniciativa. Já que não há remédio senão usá-las, o melhor é fazê-lo com gosto.

Pensar em novas maneiras de contornar esta situação. Inventar novas formas de ajudar os seus clientes neste período. Olhas para as mudanças a que a crise obrigou a sua empresa – quais delas poderão continuar úteis, mesmo quando voltarmos ao normal?

2. Estamos conectados

Já imaginou um cataclismo como este sem os meios de conexão que hoje temos? A forma como tantas empresas continuam a funcionar, mesmo com escritórios e lojas fechadas, seria impossível há bem poucos anos.

Para muitas delas, aliás, esta pandemia será o empurrão que faltava para acelerarem a adoção de tecnologias e formas de operação que há muito sabiam ser as mais adequadas ao nosso tempo, mas que iam sempre adiando. É o caso da sua?

3. Há uma incrível onda de solidariedade

Aposto que também lhe tem acontecido: nunca, como nos últimos dias, recebi tantas mensagens de quem não via há algum tempo perguntando, simplesmente, como estou.

Estou bem, obrigado – e ainda melhor por saber que a solidariedade está tão viva. Entre vizinhos, entre família e amigos, entre desconhecidos. Ou na forma como tantas empresas estão não só a cuidar dos seus empregados, mas dar um significado finalmente concreto à expressão “responsabilidade social”.

Uma iniciativa como o #tech4covid19, por exemplo – que em poucos dias juntou milhares de profissionais na criação de soluções tecnológicas para lidar com a pandemia – não é só uma impressionante demonstração de empreendedorismo e auto-organização. É também uma mostra de que a generosidade pode ser mais contagiosa do que um reles vírus.

  1. 4. Vamos aprender

Não sei exatamente o que teremos aprendido quando isto terminar. Mas uma coisa sei: teremos aprendido imenso. Porque é que eu sei? Porque já estamos a aprender. Todos os dias aprendemos novas formas de trabalhar e nos organizarmos. Descobrimos novos recursos e tecnologias. Conseguimos distinguir com mais clareza o importante do supérfluo.

Como, infelizmente, não vemos a saída do túnel, a boa notícia é que ainda vamos aprender muito mais. Tenho certeza que nos será útil, quando esta guerra estiver vencida.

5. A pandemia é boa para o ambiente

Com tanta gente em situação dramática neste momento, é até antipático lembrar isto. Mas é a pura verdade. Como em todas as recessões, só que desta vez mais, a desaceleração brutal da economia melhora muito os indicadores ambientais. Na China, parece mesmo que, entre as pessoas que morreram por causa do vírus e as que deixaram de morrer porque houve menos poluição, o balanço, espantosamente, é positivo.

Deveria fazer-nos pensar – e mudar alguma coisa. Seria, se acontecesse, a melhor notícia de todas. Mas esta, infelizmente, ainda é só um desejo.

E você, encontrou boas notícias nestes dias difíceis?

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Bruxelas agrava projeção de contração em Portugal para 9,8%

Comissão Europeia, Bruxelas (REUTERS)

Bruxelas revê estimativas. Economia da zona euro deverá recuar 8,7% em 2020

Mário Centeno


TIAGO PETINGA/LUSA

Centeno defende repensar das regras da dívida e do défice na UE

5 boas notícias em tempos muito difíceis