Opinão

7 dicas para gastar o mínimo de combustível

Combustíveis aumentam, bombas sem margem

Nunca uma condução económica fez tanto sentido.

Numa altura em que as reservas de combustível escasseiam em todo o país, os postos de abastecimento parecem autênticas repartições de finanças pela quantidade de filas intermináveis e o governo declara “situação de crise energética”, a verdade é que nunca antes o conceito de condução económica esteve tão presente na mente dos portugueses. Nem que seja para fazer “esticar” o combustível até que estas greves se resolvam.

Mas será que, mesmo com este conceito tão presente, a generalidade das pessoas sabe como colocá-lo em prática? Talvez seja importante começar por saber, afinal, o que é uma condução económica? É a prática de aplicar determinados conhecimentos na condução para um melhor aproveitamento e performance do carro. Ou seja, é a prática de uma condução que procura usar a menor quantidade de energia, com o menor desgaste do carro e, como devia ser sempre, menor impacto ambiental.

Existem carros mais económicos que outros, é certo, mas essa não é a única forma de poupar. Existem técnicas e truques que podem ser aplicados a qualquer carro para (lá está!) fazer “esticar” o combustível e a vida das peças/componentes do carro.

Miguel Lucas, Standvirtual

Miguel Lucas, Standvirtual

A saber:

1. Aproveitar (sempre!) a inércia dos veículos com a mudança engatada para conduzir num troço regular sem necessidade de acelerar;

2. Evitar grandes velocidades. Para além da segurança, por vezes o tempo que poupa não compensa os gastos de combustível;

3. Verificar a pressão dos pneus regularmente. Um vez por mês é mais que suficiente para evitar andar com uma pressão mais baixa do que a recomendada pela marca. A pressão baixa dos pneus pode aumentar os consumos. Esta verificação deve ser feita sempre com os pneus a frio;

4. Retirar toda a carga desnecessária do veículo. Alguns estudos indicam que em cada 100 kg adicionais, o consumo do veículo aumenta 5%;

5. Não “esticar” as mudanças, especialmente a 1ª. Trocar o mais cedo possível de mudança e evitar altas rotações;

6. Consultar os mapas de GPS. Atualmente as aplicações de GPS já atualizam em tempo real as movimentações do trânsito (acidentes, filas, estradas cortadas, etc.). Em termos de percurso, se evitarmos este género de complicações, é provável que a viagem se torne mais económica.

7. Nem sempre combustíveis com índices de octana maiores significam melhor desempenho, já que isso depende de muitos fatores.

É claro que nenhuma destas dicas faz qualquer sentido se os tanques do carro já estiverem vazios, porém, e se for um dos que abasteceu o carro nestes últimos dias, talvez este texto possa servir de alguma utilidade. Até porque não sabemos até onde irão estas greves e na próxima semana também é preciso ir trabalhar.

Miguel Lucas é Head of Business do Standvirtual

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Angel Gurría, secretário-geral da OCDE, e Pedro Siza Vieira, ministro da Economia. Fotografia: Diana Quintela/ Global Imagens

Fosso entre custo das casas e rendimento tem maior agravamento da OCDE

Angel Gurría, secretário-geral da OCDE, e Pedro Siza Vieira, ministro da Economia. Fotografia: Diana Quintela/ Global Imagens

Fosso entre custo das casas e rendimento tem maior agravamento da OCDE

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Eleições europeias: 11,56% dos eleitores votaram até ao meio-dia

Outros conteúdos GMG
7 dicas para gastar o mínimo de combustível