Opinião

A Apple ficou mais doce

As capas da National Geographic no Apple News Plus vão ser dinâmicas/APPLE
As capas da National Geographic no Apple News Plus vão ser dinâmicas/APPLE

A Oprah tem piada, mas já pensaram em ler artigos à vontade sem ter anunciantes à espreita?

“Agora somos miúdas Apple”, dizia Oprah, na sua voz inconfundível, a Reese Witherspoon, Jennifer Garner e Rashida Jones. O vídeo foi publicado ontem no Instagram da apresentadora, logo a seguir à mega apresentação da Apple em Cupertino, durante a qual a marca apresentou as novidades mais consequentes da década. Confrontada com a estagnação das vendas do iPhone, a empresa está à procura de molho noutro lado. E o que revelou no auditório baptizado com o nome do co-fundador, Steve Jobs, terá repercussões importantes por anos e anos.

Pôr Oprah Winfrey a mandar o edifício abaixo foi bem jogado, tal como o foi ter no evento Steven Spielberg, J.J. Abrams, Jennifer Aniston e Jason Momoa, entre outras celebridades que são a nata de Hollywood neste momento. Mas a verdade é que houve mais espalhafato que anúncios concretos: sabemos que a Apple vai bater de frente com o Netflix em busca de um lugar ao sol do streaming, só não sabemos quanto irá custar, qual a lista completa de parceiros, quando vai chegar e quais os contornos da programação original na qual está a investir centenas de milhões. Todos os detalhes decisivos ficaram de fora da parada de estrelas que encadeou uma audiência ávida por mais.

O outro anúncio vistoso nesta incursão pelos serviços, Apple Arcade, será interessante pelo modelo e pode chegar a ser disruptivo, mas não chega a um mercado que precise de ser salvo. E o primeiro cartão de crédito da empresa, desenhado especialmente para o iPhone, é uma adição curiosa e mais um símbolo de estatuto (que os fãs da maçã tanto adoram), mas na categoria fintech, a Apple tem de ir para o fim da fila.

O verdadeiro tesouro deste evento comandado por Tim Cook foi o antecipado serviço de subscrição de notícias, Apple News Plus. Enquanto o Facebook anda a fazer rondas de relações públicas para nos convencer de que está muito preocupado com a resiliência do jornalismo, a Apple tem aqui a hipótese de fazer realmente qualquer coisa importante. Não, caro Watson, não é coisa nova; na verdade, a base é o serviço Texture – precisamente chamado de “Netflix das subscrições de revistas” – que a empresa comprou no ano passado. A diferença é que quando é a marca da Apple a meter-se nestas coisas, o seu alcance é inigualável.

O serviço arrancou ontem nos Estados Unidos e no Canadá e as primeiras impressões são mistas, mas eu diria que existe muito potencial. Vai custar 9,99 dólares por mês, com partilha gratuita entre contas de família, e dar acesso a cerca de 300 publicações. Na maioria revistas, mas também alguma nata dos jornais anglo-saxónicos (com o alargamento à Europa lá para o final do ano, as publicações em várias línguas vão abundar). Estamos a falar, para já, de Wall Street Journal, Los Angeles Times, The New Yorker, Rolling Stone, Vanity Fair, Wired, Time, National Geographic, Vulture, Esquire, Vogue, e suspeito que a lista vai engrossar quando o serviço estiver em velocidade de cruzeiro.

Não sei se o preço está no ponto certo, mas sei que é isto que teremos de ter no futuro para salvar a imprensa. Um pacote de publicações como temos pacotes de canais nos serviços de televisão. Se fosse preciso subscrever os canais um a um, quantos atingiriam massa crítica suficiente? É difícil vislumbrar um futuro em que os leitores que deixaram o papel e passaram ao digital assinem uma dúzia de publicações individualmente. E não queremos, com certeza, que o mundo se confine a um punhado de casas poderosas como o New York Times e o WSJ. Já vimos o efeito devastador que a transição teve nas notícias locais (e nem vamos falar da rambóia das fake news).

A Apple pode conseguir fazer pela imprensa o que fez pela música, trazendo o iTunes para a frente do mercado enquanto as editoras discográficas se esmifravam para impedir a digitalização. Isto pode parecer pequeno, até porque não é novo, mas é potencialmente mais importante que a aventura com Oprah, Spielberg e companhia, porque o mercado do streaming já está bem ocupado e muito vibrante.

Não é só por ser uma espécie de Netflix de revistas e jornais, mas também porque põe os anunciantes a milhas. O motor de recomendações de leitura do News Plus opera dentro de cada iPhone, não vai à nuvem, por isso a Apple nunca se inteira do que cada utilizador lê e não permite que os anunciantes registem as preferências de cada um. Só isto, num mundo em que uma pessoa até do microfone desligado do telemóvel desconfia, é uma lufada de ar fresco. E mesmo que se pudesse esperar mais deste serviço, há que começar por algum lado.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Facebook's founder and CEO Mark Zuckerberg reacts as he speaks at the Viva Tech start-up and technology summit in Paris, France, May 24, 2018. REUTERS/Charles Platiau - RC11ABE16B10

Abusos nos dados privados pode custar ao Facebook entre 3 a 5 mil milhões

Foto: Global Imagens

Jovens licenciados portugueses com maior probabilidade de terem salários baixos

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa,  intervem durante a sessão solene comemorativa dos 45 anos da Revolução de 25 de Abril na Assembleia da República em Lisboa, 25 de abril de 2019. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Presidente da República pede “mais ambição” para resolver problemas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
A Apple ficou mais doce