Opinião

A banca e as empresas

Money Conference. (Fotografia: Orlando Almeida/ Global Imagens)
Money Conference. (Fotografia: Orlando Almeida/ Global Imagens)

Pergunto-me se, de facto, os bancos estão a conceder crédito em função da avaliação dos méritos dos projetos ou se continuam a olhar, sobretudo, para as garantias prestadas.

Depois de alguns tímidos sinais de retoma do crédito às empresas, os dados mais recentes relativos à evolução dos empréstimos concedidos pelo setor financeiro dão-nos, de novo, motivos de preocupação.
Dizem-nos os números do Banco de Portugal que, nos últimos 12 meses terminados em janeiro deste ano, os empréstimos às empresas se reduziram 2,2%, invertendo assim a tendência de atenuação das quedas que se vinha a registar há alguns meses. No mesmo período, os empréstimos aos particulares aumentaram, impulsionados pela subida do crédito ao consumo – mais 6,1%.

A redução dos empréstimos às empresas teve origem nas empresas privadas, já que os empréstimos concedidos às empresas públicas aumentaram 9,3%, também nos últimos 12 meses. Este aumento contraria a tendência que vinha a registar-se, até finais do ano passado, para um menor recurso das empresas públicas a financiamentos concedidos pelo sistema financeiro nacional.
Verifica-se ainda que a redução nos empréstimos às empresas privadas foi mais acentuada nas empresas exportadoras – menos 3,9%, uma queda com uma dimensão de que não temos registo há muitos anos. Pelo contrário, nos anos de crise, as empresas exportadoras eram uma exceção no panorama geral, registando taxas de variação positivas nos empréstimos concedidos pelo setor financeiro.

Como afirmei, neste mesmo espaço, há um ano, preocupa-me particularmente a situação do setor exportador. Para manter o bom desempenho das exportações, é necessário que as empresas possam aumentar a sua competitividade e a sua capacidade produtiva. Para isso, precisam de investir. Mas, para investir, as empresas precisam de financiamento.

Haverá argumentos que relativizam esta minha preocupação. As empresas privadas e em particular as empresas exportadoras terão agora uma situação financeira mais sólida e estarão a recorrer mais a capitais próprios para financiar os seus investimentos. Além disso, a queda no stock de empréstimos está ligada à alienação de crédito em incumprimento no balanço dos bancos. De facto, ajustados de vendas de carteiras de crédito, os empréstimos às empresas estão a aumentar, depois de um longo período de quedas ininterruptas desde meados de 2011.

No entanto, estes números não deixam de mostrar que o sistema financeiro continua a não ser capaz de redirecionar o crédito para os setores produtivos, nomeadamente para os que, em concorrência aberta com o exterior, apresentam um maior potencial de ganhos de produtividade.
Dirá a banca que tem de ser criteriosa na avaliação de risco e que o problema está do lado da procura, na falta de bons projetos.

Justificará isto que o crédito à indústria transformadora tenha voltado a cair, depois de alguns, escassos, meses de recuperação?
Pergunto-me se, de facto, os bancos estão a conceder crédito em função da avaliação dos méritos dos projetos ou se continuam a olhar, sobretudo, para as garantias prestadas e para a rentabilidade proporcionada pelas altas taxas de juro cobradas no crédito ao consumo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O empresário Joe Berardo à chegada para a sua audição perante a II Comissão Parlamentar de Inquérito à Recapitalização da Caixa Geral de Depósitos e à Gestão do Banco, na Assembleia da República, em Lisboa, 10 de maio de 2019. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Joe Berardo: “Tenho servido de bode expiatório”

Carlos Costa. Foto: JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

BdP vai divulgar relatório dos grandes devedores mas incompleto

O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: José Sena Goulão/Lusa

Centeno assegura clarificação das dúvidas do BCE

Outros conteúdos GMG
A banca e as empresas