Opinião

A igreja hipster

C3 Brooklyn
C3 Brooklyn

Há uns domingos, tinha acabado de correr e parei para almoçar em Brooklyn. Ao lado do restaurante estava parado um camião preto, com a seguinte frase pintada na lateral “You may not be able to measure God’s love but you can certainly experience it”. A frase, a tipografia e o layout chamaram-me a atenção para tirar uma foto. Quando me viro para trás, vejo três meninas à porta de um lugar que me parecia uma discoteca. Havia posters da marca C3 à porta. Achei que se tratava da abertura de um night club ou de uma loja de roupa streetwear quando de repente uma das meninas me convida para entrar. Deu-me um flyer com uma fotografia artística de um prédio a preto e branco, que na fachada tinha escrito “Love never gives up.” Do outro lado do flyer dizia “Church for the people of New York City. Music Hall of Williamsburg. Join us Sundays 9:30 am, 11:00 am and 12:30 pm”.

Afinal a tal marca C3 não era um night club ou uma marca de roupa, mas sim uma igreja. Brooklyn é conhecida por ser cidade-berço dos hipsters e na América tudo é possível, por isso uma igreja destinada a este público faz todo o sentido. Decidi entrar. No hall da entrada estava pousado numa mesa um néon, tipo aqueles objetos de design para o qual reservamos o melhor lugar da sala, que dizia “Vision Builders”.

Processed with VSCO with au5 preset

O logo da igreja faz lembrar o logo da banda francesa Justice. Toda a identidade visual da igreja C3 é extremamente bem desenhada, minimal, com fotos altamente curadas, tipografia intemporal e elegante. Na sala estava uma banda a fazer sound check. Curioso, fui ao Instagram da Igreja C3 e nos vídeos que abri percebi que muitas das missas são dadas em hip hop. Sim, hip hop! No mesmo espaço onde existe esta igreja ao domingos, há concertos de música punk durante e semana. Entre os fiéis, vi muita gente jovem, urbana, e todas as raças representadas. No site c3churchglobal.com encontramos informação sobre a igreja, livros, música, TV, podcast e merchandising. O aspeto visual é altamente moderno e apelativo.

C3 quer dizer Christian City Church. O movimento foi fundado por Phil e Chris Pringle, em 1980, em Sydney, na Austrália. Em 2020, o casal conta ter mais de mil igrejas espalhadas pelo mundo. Ao procurar mais informação sobre esta igreja, descobri vários artigos sobre o poder desta organização em atrair o público millennial. Ao que parece, esta igreja fala a linguagem de que os millennials gostam: à música, fotografia e social media juntaram a fé.

Fala-vos um admirador do Papa Francisco, não batizado e sem filiação com nenhum tipo de igreja ou religião. Há muito tempo que penso qual será o futuro da maior e mais antiga marca do mundo, a Igreja Católica. Como é que a Igreja vai sobreviver num mundo em que as novas gerações não são fiéis a nada, em que tudo é instantâneo e passageiro. Em que a obsessão pela imagem é maior do que nunca. O Papa tem conta no Twitter, já é um começo!

Director creative da Y&R North America

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
António Ramalho (Novo Banco), Luís Pereira Coutinho (Banco Postal), Nuno Amado (BCP) e António Vieira Monteiro (Santander Totta). Fotografia: TIAGO PETINGA/LUSA

Transferências bancárias imediatas sim, mas com custos

Fotografia: Leonardo Negrão / Global Imagens

Lesados do Banif pedem indemnização de 100 milhões a Portugal e a Bruxelas

As associações representativas dos taxistas marcaram para esta quarta-feira uma manifestação nacional contra a promulgação pelo Presidente da República do diploma que regula as plataformas electrónicas de transporte como a Uber, Cabify, Taxify e Chaffeur Privé. Manifestação de Lisboa.
Táxis junto à rotunda do Marquês de Pombal 
( Nuno Pinto Fernandes/ Global Imagens )

Plataformas de transportes ganham pouco com concentração dos taxistas

Outros conteúdos GMG
A igreja hipster