Opinão

A Inteligência Artificial ainda é uma criança?

A Inteligência Artificial tem vindo a tornar-se cada vez mais preponderante quando falamos no futuro do mercado de trabalho. De acordo com o mais recente relatório da Accenture, 2018 é o ano em que “a Inteligência Artificial se irá tornar no porta-voz digital das empresas”.

Por outro lado, e segundo um outro estudo, também da Accenture, a I.A. pode vir a duplicar o crescimento económico anual em 2035, alterando a natureza do trabalho e criando uma nova relação entre o homem e a máquina. O mesmo prevê que o impacto das tecnologias de IA nos negócios aumente a produtividade laboral até 40 por cento e permita aos trabalhadores utilizar o seu tempo de forma mais eficiente.

Será, assim, importante refletirmos sobre a tecnologia existente nesta área para o utilizador comum. A verdade é que ainda atravessamos um período de relativa infância quando falamos em tecnologia de Inteligência Artificial (I.A.). Os equipamentos móveis – como smartphones ou portáteis –ainda estão muito fechados aos assistentes virtuais. Porém, não é claro que assim se mantenham num futuro próximo. O utilizador necessita, cada vez mais, de um equipamento que lhe permita fazer as tarefas do dia-a-dia com a maior velocidade, mobilidade e facilidade possível.

Por um lado, as empresas necessitam que os seus colaboradores estejam equipados com tecnologia de ponta. Neste sentido, e em direcção à era de Inteligência Artificial, o mercado avança com inovações que garantem experiências em plataformas inteligentes, tais como os smartphones, a computação pessoal e a área automóvel.

Para o colaborador do futuro, móvel e flexível, é cada vez mais obrigatória a necessidade de equipamentos que garantem a emissão e o processamento de imagens e conteúdos com recurso a uma aprendizagem profunda e neural e que viabilizam um incremento importante na velocidade de partilha e processamento de dados dos equipamentos móveis.

Por outro lado, a indústria precisa ainda de se manter ágil e colaborativa, por forma a criar um ecossistema aberto para que todos possam criar, desenvolver e implementar soluções que coloquem o utilizador em primeiro lugar no topo da experiência tecnológica.

A presença de um ecossistema aberto, que permita, cada vez mais, ter diferentes produtos interligados, melhoraria bastante a vida dos utilizadores. Uma televisão que comunica com o frigorífico, para transmitir uma receita, e com o smartphone, para optimizar a gestão da lista de compras, incluindo o que é necessário para aquela receita, é só um exemplo de inovação que podem ocorrer na existência de um ecossistema de produtos interligados.

A grande questão é que, cada vez mais, será exigido às empresas que incluam tecnologia de Inteligência Artificial nos seus produtos e serviços, com o objetivo de alcançar e garantir um serviço ágil e interactivo. O mercado caminha nesse sentido – a IDC, multinacional que atua na área de “Market Intellegence”, previu nas suas tendências deste ano presentes no estudo que, em 2019, 40% das iniciativas de transformação digital utilizará serviços de Inteligência Artificial.

Conclusão, a Inteligência Artificial é uma tecnologia emergente e que se prepara para ser o ponto fulcral daquilo que empresas e utilizadores procurarão nos seus equipamentos nos próximos anos. Torna-se, assim, obrigatório para os fabricantes de tecnologia garantir que os seus próximos lançamentos conseguem responder a esta necessidade, sob pena de se tornarem obsoletos e ultrapassados.

Nuno Parreira, Head of Mobile Division da Samsung Portugal

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
A Inteligência Artificial ainda é uma criança?