Opinião

Opinião. A maior ameaça à democracia: Inovação

inteligência artificial inovação tecnologia

"O maior perigo que a democracia liberal enfrenta é que a revolução tecnológica tornará as ditaduras mais eficientes que as democracias"

Em 2020, os cidadãos chineses serão classificados de acordo com o seu comportamento num mega ranking de “crédito social”, que irá penalizar os mais dados a compras frívolas, obsessão com videojogos ou infrações de trânsito, entre outras atitudes, e premiar os que andarem na linha. O ranking, que está em teste nalgumas cidades, aproxima-se perigosamente do famoso episódio “Nosedive” da série “Black Mirror” onde toda a gente é escrava de um sistema de pontos. Há uns tempos, iríamos pensar nisto como um abuso de proporções dantescas que só poderia acontecer com um governo autocrático. Mas estamos em 2018, o primeiro ano do resto da regressão da democracia liberal.

As eleições intercalares que decorrem hoje nos Estados Unidos são, talvez, mais importantes que o acto eleitoral que elegeu Donald Trump, em 2016. Aqui se testa a capacidade de resistência dos pilares da democracia à infestação de mecanismos importados de sociedades ditatoriais, começando nas “fake news”, passando pela supressão de direito ao voto e terminando nos bodes expiatórios que arcam com as culpas de tudo o que está mal no país.

No entanto, não se trata de uma repetição da História. Aquilo por que estamos a passar, em 2018, é totalmente novo e poderá mudar o rumo da Humanidade no próximo século (se antes disso não tornarmos o planeta inabitável e nos auto-exterminarmos acidentalmente).

A liberdade total que permitiu aos gigantes de Silicon Valley investir em avanços tecnológicos sem restrições trouxe-nos a esta encruzilhada. Estamos a braços com a perda de controlo sobre os nossos dados pessoais, pouca ou nenhuma responsabilização das empresas que abusam da privacidade dos consumidores, e um modelo económico de utilização de serviços baseado nisso – a venda de informações pessoais para fins publicitários.

Sim, é verdade que aceitámos essa moeda de troca quando fomos a correr comprar smartphones, tablets e relógios inteligentes com apps e serviços gratuitos. Também é verdade que a maioria das pessoas não se importa que andem por aí perfis seus, porque não têm vidas estupidamente interessantes e nada a esconder. O perigo não está aí, em saber-se que cor de meias alguém prefere. O perigo está numa erosão tal do valor da privacidade que o fundamento da democracia se desmorone sem que se dê por isso,

O historiador israelita Yuval Noah Harari tem avisado para algo ainda mais assustador: a utilização da inteligência artificial e da analítica de big data em benefício dos ditadores. Isso mesmo. O sistema liberal é, em essência, distribuído, enquanto a ditadura centraliza a informação e concentra o poder num único sítio. A tecnologia do século XX tornava a concentração ineficiente, porque não havia maneira de processar a informação com a rapidez necessária – não havia máquinas de escrever e salas de arquivo suficientes para isso.

“A democracia e o capitalismo derrotaram o fascismo e o comunismo porque eram melhores a processar dados e a tomar decisões”, declarou Harari numa TED Talk. Mas a tecnologia do século XXI? “Com a ascensão da inteligência artificial e machine learning, pode tornar-se possível processar enormes quantidades de informação de forma eficiente num único lugar. E aí, o processamento centralizado de dados será mais eficiente que o distribuído.” Porque não é uma lei da natureza que a centralização do processamento seja sempre menos eficiente que o processamento distribuído.

Talvez o discurso de Harari soe a demasiado apocalíptico para quem não anda a prestar atenção. Para quem anda, o aviso é aterrador. “O maior perigo que a democracia liberal enfrenta é que a revolução das tecnologias de informação tornará as ditaduras mais eficientes que as democracias.

Não sendo possível prever a direcção que a inovação irá levar, os últimos dois anos mostraram-nos que se algo puder ser usado para fins nefastos, sê-lo-á. A demora na reacção de quem tem poder, o ignorar dos avisos de especialistas como Harari ou Gerd Leonhard, a ridicularização dos alertas de Stephen Hawking e Elon Musk – tudo isto ajuda a desenterrar um pouco mais as traves onde assentam os princípios democráticos que tornaram esta inovação possível. A democracia verdadeira pode perecer às mãos da tecnologia que ajudou a criar, e com o aval dos cidadãos enlevados pelas vozes autoritárias. Essa será a tragédia da sociedade mais avançada de sempre.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Dos blueprints  dos primeiros automóveis, ao topo dos carros elétricos atuais, de elon Musk, em homenagem, a Nikolas Tesla.
Ilustração: VITOR HIGGS

Automóvel. Em 20 anos do euro mudou tudo, menos a carga fiscal e o líder

João Vieira Lopes, presidente da Confederação do Comércio e Serviços.
(Jorge Amaral/Global Imagens)

Vieira Lopes: “Metas do governo são realistas mas é preciso investimento”

A EDP, liderada por António Mexia, vai pagar o maior cheque de dividendos da bolsa nacional.

PSI20. Menos lucros mas o mesmo prémio aos acionistas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Opinião. A maior ameaça à democracia: Inovação