Ricardo Reis

A mulher de César

Ao devedor não basta ser, mas tem de parecer, porque ele tem de convencer o credor a emprestar-lhe dinheiro

À mulher de César não basta ser honesta, deve parecer honesta. Como todos os bons provérbios, este tem um suporte histórico. Refere-se à segunda mulher de Júlio César, Pompeia, de quem ele se divorciou por suspeitar que ela o traíra, mesmo sem ter provas. Também como todos os provérbios, esta frase é vaga e imprecisa e por isso pode-se aplicar a muitos casos.

Por exemplo, ultimamente usou-se o provérbio para criticar a ex-ministra das Finanças Maria Luís Albuquerque por ter aceitado um cargo numa empresa do sector financeiro. Albuquerque pode ter beneficiado no passado o seu novo patrão de formas escondidas pelas quais estará agora a ser recompensada.

Provavelmente não podemos saber com certeza se assim foi, mas podemos investigar. Temos um Ministério Público para investigar as relações passadas de Albuquerque com esta empresa financeira. Temos a Assembleia da República para nos seus inquéritos avaliar a ética desta escolha profissional. E temos os media para revelar informação e fazer censura pública e moral nos espaços de opinião.
Se nada se achar, então o provérbio é injusto e tem um efeito corrosivo. Achar que todos à nossa volta parecem ser ladrões ou corruptos, independentemente de serem ou não, torna impossível a cooperação e confiança necessária para viver em sociedade.

Um segundo exemplo vem dos mercados da dívida portuguesa. Olhando objetivamente para o orçamento de 2016, continua a austeridade quase ao mesmo ritmo de antes. As escolhas de quais impostos usar e quais os grupos a penalizar mudaram, mas não mudou o compromisso com os objetivos do défice e de algum corte na despesa. No entanto, desde novembro e das discussões do orçamento, as taxas de juro cobradas a Portugal dispararam. Depois de anos em que as nossas condições de crédito se moviam em linha com as de Espanha ou Itália, o novo governo e orçamento são tratados com um caso especial e problemático, em linha com o que se passou com a Grécia há anos atrás. Portugal parece ter perdido algum crédito e capital de confiança.

Ao novo governo não bastou ser honesto e fiscalmente responsável. Ele até conseguiu cooptar a extrema esquerda para este compromisso com a austeridade, o que parecia impensável há apenas meses atrás, e devia revelar o compromisso nacional com as nossas obrigações internacionais. Os discursos sobre o virar da página, a retórica inflamada no passado dos que hoje são governantes, e os pequenos atos que pareceram demonstrar pouca hesitação em rasgar acordos e contratos, foram interpretados no exterior como sendo próprios de quem não queria pagar as dívidas.

Neste caso, o parecer da mulher de César tem a ver com aquilo que os mercados esperam do futuro. Ele afeta o presente pelo simples facto de Portugal ter uma enorme dívida. Ao devedor não basta ser, mas tem de parecer, porque ele tem de convencer o credor a emprestar-lhe dinheiro. É injusto e corrosivo, e afeta-nos a todos, mas é o resultado de termos escolhido acumular uma divida tão grande nos últimos 20 anos.

Professor de Economia na Universidade de Columbia, em Nova Iorque

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
A ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho. ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

1400 empresas já pediram para aderir ao novo lay-off, apoios só a 28 de abril

Algarve, Portugal. Fotografia: D.R.

Algarve lança campanha. “Fiquem em casa para regressarem com mais saudade”

Veículos da GNR durante uma operação stop de sensibilização para o cumprimento do dever geral de isolamento, na Autoestrada A1 nas portagens dos Carvalhos/Grijó no sentido Sul/Norte, Vila Nova de Gaia, 29 de março de 2020. MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

Mais de 80 detidos e 1565 estabelecimentos fechados

A mulher de César