Opinião

A poupança num mundo em mudança

Fotografia: Reinaldo Rodrigues/Global Imagens
Fotografia: Reinaldo Rodrigues/Global Imagens

A poupança é o resultado de quem foi previdente e a segurança de quem se dispôs a determinado sacrifício para se acautelar perante um futuro incerto

Os níveis de poupança dos portugueses têm vindo a diminuir. Segundo dados do INE e da Pordata, a taxa de poupança das famílias era de 14,8% em 1995, sendo que em 2019 esse número já tinha sofrido uma redução para menos de metade, cifrando-se em 6,7%. A tendência ao longo destes anos foi linear, registando-se um decréscimo consistente. Mas com algumas exceções: durante anos de crise financeira, nomeadamente em 2009 e 2012, este ciclo inverteu. Em 2009 subiu dos 7,3% para 11,9% e em 2012 dos 8,8% para os 10,2%.

A poupança em tempos de crise não é um tema fácil, em especial num momento de tanta incerteza sobre a verdadeira dimensão da situação atual de pandemia na economia e o consequente impacto nas nossas vidas. Qualquer estimativa corre o risco de sofrer da mesma falta de certeza de que todos sofremos neste momento.

Contudo, começamos agora a regressar, lenta e cautelosamente, a um estado de nova normalidade económica, onde esperamos recuperar os nossos saudosos hábitos de vida e consumo. É saudável que assim seja. No entanto, é também saudável, nestes tempos de mudança, estar preparado para um qualquer futuro que se avizinhe e relembrar que o consumo de hoje é a poupança de ontem. A poupança é o resultado de quem foi previdente e a segurança de alguém que se dispôs a determinado sacrifício para se acautelar perante um futuro incerto. Para garantir um determinado futuro, uma determinada reforma, o poder de opção, é necessário estar disposto a compromissos no presente.

Ao aumentarmos coletivamente a taxa de poupança (ainda que em níveis historicamente baixos quando comparada com década de 80), estaremos a constituir uma almofada que permite não só diminuir a dependência junto dos mercados financeiros como aumentar a capacidade de reduzir o impacto perante novas crises.

Adicionalmente, poupar via aforro, diversificando o investimento através de produtos financeiros, é uma forma de tornar mais forte a economia. Isto permite canalizar recursos para as atividades económicas que sustentam a atualidade e que serão um importante alicerce no nosso futuro, por esforço do seu desenvolvimento e investimento. É certo que sempre haverá riscos, pelo que é aconselhável optar por soluções de poupança e investimento ajustadas ao perfil de risco e capacidades de cada um.

A oferta disponibilizada, em Portugal, inclui duas famílias de produtos. Por um lado, os Planos Poupança Reforma e os Seguros de Capitalização com capital garantido, em alguns casos com garantia de taxa de rentabilidade na primeira anuidade. Por outro, os Seguros de Vida ligados a fundos de investimento, que são produtos sem capital garantido, também com a designação frequente de ICAE ­– Instrumentos de Captação de Aforro Estruturado. Aqui também se enquadram os Unit Linked, que são produtos financeiros complexos e podem ter a forma de PPR ou de Seguro de Capitalização.

Nos últimos anos, desde a introdução da Diretiva Europeia Solvência II, que o sector revela uma tendência de redução da oferta associada a produtos com rendimento fixo e, mais recentemente, com capital garantido. Neste contexto, torna-se oportuno contar com um apoio independente e especializado, de forma a conhecer e selecionar, as melhores alternativas para aplicar as poupanças, perante uma nova realidade de produtos financeiros adaptados às novas exigências do sector.

A constituição individual de poupança é crucial para acautelar o futuro. A duração da atual crise e a necessidade de equilibrar a economia afetarão a vida de todos e marcarão a dimensão do esforço contributivo futuro de cada um. Este período de incerteza terá como reflexo um aumento dos compromissos futuros e que resulta, teoricamente, na necessidade de estarmos mais preparados para enfrentar os desafios que daí resultam.

Um dos ativos mais importante nas nossas vidas é a segurança. É um conceito básico de sobrevivência, pois desejamos saber aquilo com que podemos contar no futuro ou, no mínimo, estarmos preparados para os vários cenários. É por isso mesmo que, apesar do momento sensível, não existe futuro sem poupança.

 

Nuno Leitão, senior adviser – Unit Linked Life Insurance Solutions da MDS

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP), Nazaré da Costa Cabral. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Linhas de crédito anti-covid ainda podem vir a pesar muito nas contas públicas

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. FILIPE FARINHA/LUSA

Marcelo promulga descida do IVA da luz consoante consumos

Fotografia: Fábio Poço/Global Imagens

Apoio a rendas rejeitado devido a “falha” eletrónica

A poupança num mundo em mudança