Opinião

A privacidade segundo a Apple

Apple iPhone iOS 13

As novidades introduzidas no iOS 13 para devolver o controlo aos utilizadores são importantes. Serão suficientes?

No grande evento da indústria de consumo de que a Apple está sempre ausente, o CES Las Vegas, a marca achou que 2019 era a altura perfeita para mandar umas farpas em direcção à Google e ao Facebook, pavoneando a sua reputação em torno da segurança e privacidade. Os telhados do iPhone não eram, no entanto, tão robustos quanto a Apple queria fazer parecer. Soube-se agora que, apesar das promessas de que o iPhone é um contentor hermético dos dados pessoais dos utilizadores, aplicações externas conseguem abusar da funcionalidade de actualização no background para monitorizar conteúdos e comportamentos.

Os detalhes partilhados com empresas de monitorização para efeitos de marketing, segundo o Washington Post, incluem número de telefone, endereço de email, endereço IP e localização precisa do utilizador.

É com isto em mente que se deve olhar para as funcionalidades de privacidade que a Apple anunciou ontem no arranque da sua conferência anual de programadores, WWDC, em São José. A mais importante é a “Sign in with Apple”, uma forma de contornar o processo de criação de conta em apps e websites, que normalmente é invasiva e obriga à partilha de dados.

O problema é que utilizar a conta do Google ou a conta do Facebook para criar acesso a uma app resulta na transferência de dados do utilizador para os programadores da app. Facilita o processo, sim, mas não protege a privacidade.

Apple-ios-13-sign-in-screen-iphone-xs-06032019

O que a Apple propõe com a nova funcionalidade, que virá com o iOS 13, é uma criação alternativa de credenciais que impede a app de recolher dados pessoais do utilizador. Gera um endereço de email aleatório que fica na base de dados do programador mas não é o endereço verdadeiro – e isso significa que o utilizador recupera algum controlo e pode cortar a ligação à app sem obstáculos.

Outras ferramentas importantes, que são transversais à plataforma, irão impedir que as apps monitorizem a localização do utilizador e enviarão chamadas indesejadas directamente para o correio de voz.

Ainda neste capítulo: a plataforma para automação em casa HomeKit vai levar mais a sério a segurança dos utilizadores. No caso de câmaras de videovigilância inteligentes, o processamento do vídeo passará a ser feito localmente, resolvendo o problema do envio para a nuvem sem encriptação. E passa a ser possível ao router doméstico erguer um muro virtual à volta dos aparelhos inteligentes dentro de casa em caso de ataque.

É interessante que tudo isto tenha sido anunciado no dia em que o Comité Judiciário da Câmara dos Representantes lançou uma gigantesca investigação das práticas da Google, Facebook, Amazon e da própria Apple, entre outras, um escrutínio doméstico sem precedentes às grandes de Silicon Valley. Esta ofensiva correrá em paralelo com processos lançados pelo Departamento de Justiça e pela Federal Trade Commission no rescaldo dos sucessivos escândalos envolvendo o sector tecnológico, incluindo graves falhas na protecção da privacidade dos consumidores, práticas anti-concorrenciais e o papel na desinformação que grassa online.

Alguma coisa tem de ser feita para pôr fim a esta praga inescapável. Não há desculpas para esta dificuldade em manter um mínimo de privacidade e segurança quando se paga centenas de euros por um smartphone ou tablet. Principalmente quando a reacção das empresas perante uma brecha de segurança e abuso de dados é um email, uma publicação, um discurso contrito que se dissolve quando o ciclo noticioso passa.

É verdade que a Apple tem sido pró-activa na protecção da privacidade dos seus utilizadores e advoga mais mecanismos de controlo, mas a aparência de empresa impoluta também não corresponde à verdade. Além disso, sendo um facto que estas mudanças no iOS 13 constituem um passo importante, também contribuem para olhar de frente a realidade de que o modelo das app stores está gasto. Uma vez percebendo que a moeda de troca por apps gratuitas não pode ser a invasão da privacidade dos utilizadores para fins publicitários, tem de aparecer uma alternativa. E isso seria um excelente tema para discutir numa conferência mundial de programadores.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Turistas passeiam na baixa de Quarteira dia 19 de março de 2020. (LUÍS FORRA/LUSA)

Desemprego no Algarve triplica em maio por quebras no turismo

(MANUEL DE ALMEIDA/LUSA)

OE Suplementar: Oposição levou 263 propostas a votação, passaram 35

O primeiro-ministro, António Costa (E), conversa com o ministro de Estado e das Finanças, João Leão (D), durante o debate e votação da proposta do orçamento suplementar para 2020, na Assembleia da República, em Lisboa, 17 de junho de 2020. MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O Orçamento Suplementar em 5 minutos

A privacidade segundo a Apple