Opinião: Carlos Pimenta

Ambivalência da transparência

Fotografia: João Relvas/Lusa
Fotografia: João Relvas/Lusa

Frequentemente, as fraudes são cometidas pelas elites económicas e políticas, mas somos todos nós a pagá-las.

1. No último quarto de século muito se tem falado da transparência, muito se criou de normas e procedimentos visando uma melhor leitura da actividade económica, da capacidade de acompanhamento da actuação do Estado, de conhecimento mais pormenorizado da actividade administrativa. O grande desenvolvimento tecnológico deste período, nomeadamente na informática e no funcionamento compatível das redes à escala mundial, reforça essa vontade de cada um de nós e da sociedade civil de “controlar o mundo”.

Porque a democracia é um valor maior da nossa evolução civilizacional e, durante o referido período houve um alastramento da sua importância relativa – forte ainda hoje porque até os movimentos ditatoriais aparentam respeitá-la, como via de legitimação e prossecução dos seus pérfidos objectivos -, porque a democracia aconselha “controlo popular” e porque para a grande maioria dos cidadãos a liberdade é das mais amadas referências do nosso quotidiano, todos nós, espontaneamente defendemos a transparência.

Multiplicam-se, aparentemente, as iniciativas em torno da sua concretização.

2. Curiosamente constatamos que o período acima referido também é um período de intensas actividades realizadas à margem da contabilidade nacional, de sistemática fraude fiscal, de expansão de um vasto conjunto de infracções económico-financeiras, incluindo muitas fraudes – pela sua natureza desconhecidas até à sua detecção -, incluindo algumas de que há crescente percepção (particularmente sentidas pelo impacto nas nossas vidas, como, por exemplo, a corrupção).

É um período de financiarização – com correspondente aumento da importância relativa das actividades improdutivas e especulativas – de ampliação das desigualdades económicas, com correspondente sobrevivência nos limiares da pobreza de sectores muito vastos da população mundial, em que a apropriação da riqueza passa pelo agravamento da assimetria da informação económica e por actividades eminentemente especulativas. A criminalidade organizada transnacional reforça o seu poder, o branqueamento de capitais é vastíssimo, e há todo um conjunto de facilidades criadas pelos Estados para a prossecução deste tipo de actividades (como são os offshores).

3. Em síntese, ao mesmo tempo que se propõe transparência para garantir simetria de informação nas actividades económicas e promoção de uma política anti-fraude, aquela diminui e esta é parcialmente ineficaz. Frequentemente, as fraudes são cometidas pelas elites económicas e políticas, mas somos todos nós a pagá-las.

Coincidência? Necessidade de reforçar a transparência para resolver estes grandes problemas da humanidade?

 

Carlos Pimenta, sócio fundador do Observatório de Economia e Gestão de Fraude (OBEGEF)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Jogo Online é regulado desde 2015

Jogo Online atrai 100 mil novos apostadores a cada trimestre

Jogo Online é regulado desde 2015

Jogo Online atrai 100 mil novos apostadores a cada trimestre

O primeiro-ministro indigitado, António Costa, à chegada para uma audiência com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, para apresentação da lista de nomes propostos para secretários de Estado do XXII Governo Constitucional, no Palácio de Belém, em Lisboa, 21 de outubro de 2019. RODRIGO ANTUNES/LUSA

Conheça os secretários de Estado do novo Governo

Outros conteúdos GMG
Ambivalência da transparência