opinião: Joana Petiz

Arrendar casa vale pouco 

(João Silva/ Global Imagens)
(João Silva/ Global Imagens)

Há um problema de habitação em Portugal e continuará a haver enquanto escolhermos apontar dedos à toa.

Há um problema de habitação em Portugal, sobretudo para quem quer arrendar casa. Com rendimentos modestos, a maioria das famílias não consegue responder à altura das rendas praticadas pelos senhorios que têm casas nos centros urbanos. E que se prevê continuem a ser poucos e exigentes, enquanto os aumentos acompanharem a pobrezinha inflação: 0,51% em 2020. Numa casa arrendada por 500 euros são mais 2,5. Não compensa, dizem os proprietários, que ainda sofrem com rendas que persistem esmagadas ao fim de décadas de mercado congelado, que conhecem o que gastam em despesas de manutenção independentemente do que recebem, que sabem o estado em que muitos inquilinos deixam as casas, que quando não o viveram certamente conhecem quem tenha levado meses a conseguir tirar da sua casa um inquilino que não pagava.

Há um problema de habitação em Portugal. E por isso o governo aprovou na Assembleia uma Lei de Bases da Habitação. E, por isso, Fernando Medina anunciou, logo quando chegou à liderança de Lisboa, a ideia agora concretizada de ter programas de rendas acessíveis e converter património municipal em casas para as famílias de classe média que não conseguem aceder ao mercado de arrendamento. A chatice é que, como em todas as tentativas de dobrar a realidade, o problema persiste.

Porque as casas da câmara precisam de obras – que implicam tempo e investimento privado – para se tornarem habitáveis. Porque as rendas acessíveis afinal não o são, porque as condições de acesso excluem à partida as famílias às quais se dirigiam – um T0 por 400 euros não é razoável e esses agregados não ganham tão pouco que preencham as condições para aceder aos muito poucos apartamentos oferecidos a preços verdadeiramente acessíveis.

Há um problema de habitação em Portugal e continuará a haver enquanto escolhermos culpar o turismo e o alojamento local, a especulação imobiliária e a ganância dos senhorios. Enquanto ignoramos a verdadeira razão para as famílias de classe média não conseguirem arrendar casa no centro: não há oferta porque o mercado, esmagado e condicionado, não é atrativo. Não há diversidade de preços porque há poucas casas disponíveis e isso limita brutalmente a concorrência. E isso será verdade enquanto for mais vantajoso para um proprietário ter uma casa fechada do que arrendá-la.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O ministro de Estado e das Finanças, João Leão, acompanhado pela ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, momentos antes de falar aos jornalistas no final da reunião do Conselho de Ministros, no Palácio Nacional da Ajuda, em Lisboa, 3 de setembro de 2020. MÁRIO CRUZ/POOL/LUSA

Défice público chega a 6,1 mil milhões em agosto, mas suaviza face a julho

Fotografia: Paulo Jorge Magalhães/Global Imagens

Sinistros automóveis sem seguro custaram 4,7 milhões

Bosch testes rápidos

DGS aprova testes rápidos à covid da Bosch. Primeiro evento é a Volta a Portugal

Arrendar casa vale pouco