Opinião

Assim falou Yuval Harari

Fotografia: DR
Fotografia: DR

Yuval Noah Harari, conhecido historiador e pensador, acaba de publicar o seu terceiro livro, 21 Lessons for the 21th Century. Depois de Sapiens – reflexão sobre o passado – e de Homo Deus – reflexão sobre o futuro – o novo livro acabado de publicar pretende ser uma análise atenta e crítica sobre o presente e o futuro imediato da civilização. A mensagem de Harari ganha contornos de grande atualidade num tempo em que as aceleradas alterações na ordem económica levantam novas reflexões sobre o modelo social e o futuro da relação entre o homem e a máquina num contexto de crescente incerteza global.

David Autor, conhecido investigador do MIT que irá estar em Setembro em Lisboa numa Conferência Internacional, tem alertado a comunidade para os impactos que a automação terá ao nível do emprego e da organização social. Outros reputados autores, como o Presidente do Instituto Superior Técnico, Arlindo Oliveira, têm feito muitas intervenções sobre a Inteligência Artificial e o papel que os robots poderão ter no novo contexto económico que está na ordem do dia. A mensagem de Harari vem desta forma reforçar as muitas preocupações e incertezas que existem relativamente ao futuro.

Mas temos que ser claros. A transformação digital que está a revolucionar a organização e a cadeia de valor da maior parte das empresas e outras organizações é já um passo importante na progressiva alteração do paradigma da ordem económica e do nível de aposta na inovação e criatividade como fatores de nova competitividade económica. A revolução da Indústria 4.0 é um convite a uma nova ordem de interação entre centros de competência e centros de valor e a tecnologia tem que ser vista como um instrumento central para a partilha de valor numa sociedade cada vez mais desigual e complexa.

E Yuval Harari é muito claro. A forma como a tecnologia vai ser usada e a capacidade de fazer dela um canal de inteligência competitiva fará a diferença no futuro. Daniel Innerarity fala-nos da necessidade de reposicionar o espaço público e de reinventar o contrato de confiança entre cidadãos e instituições num contexto de maior competitividade global. A nova ordem política de que Yuval Harari nos fala implica que a aposta numa sociedade aberta moderna e mobilizadora de que Karl Popper nos fala seja o espaço natural para uma participação individual e coletiva sensata e estruturada, em que a criação de valor assente numa partilha inteligente de recursos e competências.

Yuval Harari acredita no futuro. Mas sabe que o futuro tem as suas limitações e as suas dificuldades numa civilização que ao contrário do que Francis Fukuyama previa tem todas as condições para se renovar de forma participada e colaborativa. Precisamos como indivíduos e como sociedade de reforçar o nosso sentido de confiança e de modernidade participativa num espaço aberto em que os valores e as ideias devem fazer a diferença. A classe criativa que Richard Florida defende como aquela que poderá fazer a diferença na criação de mais valor social tem aqui uma nova oportunidade. E acabamos todos por ter. O presente é a confirmação de que o futuro é a melhor forma de renovar o passado. Assim falou Yuval Harari.

Francisco Jaime Quesado, Economista e Gestor – Especialista em Inovação e Competitividade

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro adjunto Pedro Siza Vieira. 
(Leonardo Negrão / Global Imagens)

Proposta que cria sociedades de investimento em imóveis avança até final do ano

O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Despesa com juros da dívida ultrapassou 5 mil milhões de euros até julho

Apple devolve à Irlanda14 mil milhões em ajudas consideradas ilícitas

Outros conteúdos GMG
Assim falou Yuval Harari