Opinião

Avanços e recuos

Parlamento | Imposto Google | Bloco de Esquerda
Foto: Reinaldo Rodrigues/Global Imagens

PSD, o PS e o CDS chumbaram a reposição do tempo integral de serviço dos professores. PSD e CDS fizeram o que deveriam ter feito desde a primeira hora, mas preferiram arriscar e esticar a corda num primeiro momento e agora têm de ouvir o primeiro-ministro dizer que considera ter havido uma “vitória da responsabilidade”. Na política não vale tudo e este episódio, com este recuo dos partidos do centro-direita, demonstra isso.

Na votação final global, o texto proveniente da comissão parlamentar de Educação para a reposição integral do tempo de serviço dos professores só teve o apoio do Bloco, do PCP e do PEV. Após a votação concluída, o primeiro-ministro afastou o cenário da ameaça de demissão do governo.

O final da semana foi animado na Assembleia da República não só pela votação final global do diploma dos professores, mas também pela audição a Joe Berardo, no âmbito da comissão parlamentar de inquérito à gestão da Caixa Geral de Depósitos. O empresário afirmou: “Tentei ajudar os bancos numa altura de crise.” Quem assistiu às declarações ficou incrédulo. Mais: o comendador afiança que foram as instituições financeiras que não cumpriram os contratos de empréstimo ao não venderem quando os ativos perderam valor. Lembrou que os contratos de crédito tinham limites e que o banco deveria vender quando baixassem de determinado patamar. Mas que foram as instituições que erraram, ou seja, que não venderam as ações do BCP dadas como garantia.

A auditoria da EY à gestão da Caixa Geral de Depósitos, e que analisa o período entre 2000 e 2015, revelou que o banco público tinha uma exposição a Joe Berardo e à Metalgest, empresa do seu grupo, de mais de 300 milhões de euros. Os empréstimos a Berardo foram usados para financiar a compra de ações do BCP cuja garantia eram… as próprias ações. Títulos que acabaram por desvalorizar acentuadamente, gerando perdas significativas para o banco público.

Após todos estes anos, depois de lidos todos os relatórios, haverá ainda alguém que acredite nesta versão?

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mário Vaz, CEO da Vodafone Portugal  Fotografia: Orlando Almeida / Global Imagens

Mário Vaz. “Havendo frequências, em julho teríamos cidades 5G”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa (C), durante a cerimónia militar do Instituto Pupilos do Exército (IPE), inserido nas comemorações do 108.º aniversário da instituição, em Lisboa, 23 de maio de 2019.  ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

Marcelo: “Quem não for votar, depois não venha dizer que se arrepende”

Certificados

Famílias investiram uma média de 3,3 milhões por dia em certificados este ano

Outros conteúdos GMG
Avanços e recuos