Opinião: João Almeida Moreira

Burros sim, ingénuos jamais

REUTERS/Adriano Machado
REUTERS/Adriano Machado

No Brasil, há quem acredite que uma citação de jornal de Fernando Haddad a dizer que, uma vez eleito, vai recolher todas as criancinhas até aos cinco anos e deixar ao estado a incumbência de decidir qual o seu sexo, é verdadeira e não uma montagem.

No entanto, esses mesmos crentes não se deixam enganar, não senhor, pelo sistema das urnas eletrónicas. Apesar do Supremo Tribunal investir em permanência na sua segurança, de o equipamento ser auditado três vezes, incluindo no dia votação, com a presença de representantes de todos os partidos candidatos, de especialistas brasileiros e estrangeiros atestarem a sua fiabilidade e de técnicos dos Estados Unidos invejarem a sua rapidez por comparação com os obsoletos papelinhos usados nas eleições americanas, um certo tipo de brasileiro desconfia.

A começar por Jair Bolsonaro, que horas depois de ter sido o mais votado na primeira volta das eleições, lançou suspeitas de fraude nas urnas eletrónicas, ganhando imediatamente a concordância do tipo de brasileiro que vota nele.

A propósito: será, então, que nas sete vezes em que o deputado foi eleito para o Congresso Nacional houve fraude nas urnas eletrónicas a favor dele?

No Brasil, há quem acredite que uma fotografia do candidato do PT a segurar um biberon (mamadeira no Brasil) com bico em forma de pénis, supostamente para combater a homofobia, é verdadeira e não uma montagem.

No entanto, boa parte desses crentes, não se deixa enganar, não senhor, pelo instituto de sondagens e pesquisas Ibope. Apesar da empresa ter sido fundada em 1942, manter 3500 técnicos especializados, ter uma receita anual de 220 milhões de dólares e ser considerada uma das 25 principais empresas mundiais do setor pelo ranking norte-americano Honomichl e ter até entrada em prestigiados dicionários brasileiros como sinónimo de audiência, um certo tipo de brasileiro desconfia.

A começar por Jair Bolsonaro, que no princípio do mês passado lançou suspeitas sobre uma sondagem que aumentava a percentagem de votos na sua candidatura mas também a de eleitores que o rejeitavam, ganhando imediatamente a concordância do tipo de brasileiro que vota nele.

A propósito: será então que as pesquisas que o colocam como vencedor das eleições batendo Haddad são então uma fraude?

O que leva um indíviduo a ter medo de passar por ingénuo mas a não se importar de passar por burro? E que o leva a acreditar numa corrente obtusa de whatsapp mas a desconfiar de organismos com credibilidade testada, auditada e comprovada?

Há três caminhos de resposta. Primeira: os crentes nas fake news distinguem-nas perfeitamente mas fazem-se de tolos apenas para as disseminar. Segunda: os crentes nas fake news estão de tal forma alienados que acreditam no que é dito pelo líder da manada sem gota de espírito crítico. Terceira: como constatou empiricamente o jornalista do Financial Times Simon Kuper nas suas inúmeras viagens, quão menos transparente é o país mais o seu povo acredita em teorias da conspiração – segundo ele, milhões de iraquianos garantem que Saddam Hussein está vivo, por exemplo.

Não só está vivo como vota Haddad, deve ler-se um dia destes no whatsapp.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Ministro das Finanças, Mário Centeno, na apresentação do Orçamento do Estado para 2019. 16 de outubro de 2018. REUTERS/Rafael Marchante

Bruxelas envia carta a Centeno a pedir o triplo do esforço orçamental

lisboa-pixabay-335208_960_720-754456de1d29a84aecbd094317d7633af4e579d5

Estrangeiros compraram mais de mil imóveis por mais de meio milhão de euros

João Galamba (secretário de estado da energia) , João Pedro Matos Fernandes (Ministro para transição energética) e António Mexia  (EDP) durante a cerimonia de assinatura de financiamento por parte do Banco Europeu de Investimento (BEI) da Windfloat Atlantic. Um projecto de aproveitamento do movimento eólico no mar ao largo de Viana do Castelo.
(Reinaldo Rodrigues/Global Imagens)

Mexia diz que EDP volta a pagar a CESE se governo “cumprir a sua palavra”

Outros conteúdos GMG
Burros sim, ingénuos jamais