Opinião: Rosália Amorim

“Cautela”, a palavra que marca este verão

Foto: EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA
Foto: EPA/FACUNDO ARRIZABALAGA

O Banco de Inglaterra pode dizer que o impacto do brexit naquela economia será “suave”, mas poucos acreditam nisso

Contrariando a realidade que se vê nesta altura, por exemplo no Algarve, em que os britânicos contribuem para estimular o consumo e o investimento em Portugal, pelo país de sua majestade regista-se uma nova queda do consumo, pelo terceiro mês consecutivo. Em todo o Reino Unido os cidadãos estão a gastar menos com as despesas da casa, de alimentação e transporte. Estas são as rubricas mais afetadas pela contração dos gastos.

Cerca de um ano depois de os eleitores terem votado a favor do brexit (saída do Reino Unido da União Europeia), o jornal Financial Times dá conta de que só no último mês o consumo caiu 0,8% em termos homólogos. E que o preço das casas também sofreu a apreciação mais baixa dos últimos quatro anos, o que em nada ajudou à dinâmica da economia. E o facto de a libra ter depreciado em mais de 10%, desde que houve o voto pelo sim do brexit, também está a penalizar fortemente aquele mercado.

Se por cá ficamos com a noção de que os britânicos estão em força de férias no Algarve, a gastar e a comprar residências, por outro lado os que lá ficaram não saíram mesmo das quatro paredes de casa e estão a gastar cada vez menos em hotéis e em restaurantes. São cidadãos apreensivos e que temem o futuro. E esse sentimento arrefece aquela economia, mesmo em pleno mês de agosto.

Por cá não se sente esse arrefecimento, já que o Reino Unido ainda é o nosso principal mercado emissor de turistas e nos primeiros cinco meses deste ano as dormidas destes turistas aumentaram e já tinham gasto mais 15% até maio, face ao mesmo período do ano anterior. As incertezas do Reino Unido poderão beneficiar o nosso país no curto prazo, mas não no longo prazo.

Neste mês, o Banco de Inglaterra fez uma revisão em baixa das perspetivas para aquela economia e também para os salários para 2017 e 2018. Mark Carney, que lidera o banco central britânico, antecipa que o produto interno bruto (PIB) avance neste ano apenas 1,7%, ou seja, abaixo dos 1,9% anteriormente previstos. E para o próximo ano adianta só 1,6%, contra os 1,7% em que antes acreditava.

Esta decisão prende-se com as muitas nuances do brexit que ainda estão por conhecer. Nuances essas que influenciaram, há poucos dias, o banco central a deixar inalterada a taxa de juro, nos 0,25%. O Banco de Inglaterra pode dizer que o impacto do brexit naquela economia será “suave”, mas poucos acreditam nisso e “cautela” é já a palavra que marca este verão no Reino Unido.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página Inicial

Ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, com responsáveis da VW na apresentação do T-Roc. Fotografia: DR

Caldeira Cabral confiante em acordo com trabalhadores da Autoeuropa

Fátima Barros, presidente da Anacom
Fotografia: Álvaro Isidoro / Global Imagens

Operadores dificultam rescisões de contratos e Anacom divulga alternativas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
“Cautela”, a palavra que marca este verão