Opinião: João Almeida Moreira

Cenas de desperdício

Fotografia: Direitos reservados
Fotografia: Direitos reservados

Em Outubro de 2017, o presidente do banco estatal Caixa Económica Federal reconheceu a necessidade de uma ajuda do governo para resolver a crise da instituição, incapaz de se adequar às regras internacionais do setor.

Observadores externos disseram, aliás, ver como única salvação do banco fundado em 1861 pelo imperador Dom Pedro II a sua privatização.

Cerca de 100 agências serão fechadas.

Paralelamente, um fundo de investimento em infraestrutura da Caixa fora apanhado no furacão da Operação Lava-Jato: Eduardo Cunha, o artífice do impeachment de Dilma Rousseff e ex-íntimo de Michel Temer, comandava um esquema de desvio de recursos do fundo para pagar favores políticos.

E meses depois, já em Janeiro deste ano, foram afastados quatro dos 12 vice-presidentes da Caixa por determinação do Ministério Público, acusados de corrupção.

Apesar da grave crise financeira e das denúncias de corrupção que a invadiram, a direção da Caixa Económica Federal encontrou mesmo assim motivação para selecionar hoje, dia 16, seis mil dos seus funcionários e reuni-los num evento de luxo em Brasília inspirado no Mundial da Rússia chamado “Seleção Caixa: Em Campo Pelo Brasil”.

Cafu, capitão da última seleção brasileira campeã do mundo, Galvão Bueno, o narrador oficial de todos os jogos do Brasil, e Martha Gabriel, perita internacional em tecnologia, foram convidados para dar palestras aos funcionários.

Para apresentar a cerimónia, um astro das novelas da Globo, Luigi Baricelli, e uma estrela do departamento de desporto da Bandeirantes, Renata Fan.

No final, os empregados da Caixa vão poder saltar e dançar ao som do popular cantor Saulo.

Michel Temer foi convidado para o evento mas ainda não tinha confirmado a presença – ele, como Cunha e outros chefes do partido MDB, é um dos acusados pela Procuradoria-Geral da República de integrar uma organização criminosa que desviava recursos da Caixa.

Segundo a imprensa, como os palestrantes e as outras estrelas cobram no mínimo 10 mil euros por aparição em média e as viagens e hospedagem dos seis mil funcionáros serão pagas pelo banco (e pelo contribuinte), a festa poderá custar perto de 25 milhões de reais – mais ou menos seis milhões de euros.

Falta só dizer o local da celebração: o Estádio Mané Garrincha, construído de propósito para o Mundial anterior ao da Rússia – o do Brasil. Contratada por 700 milhões de reais [cerca de 170 milhões de euros], a obra brasileinse acabou por custar 1,6 mil milhões de reais [cerca de 400 milhões de euros], o que a tornou a mais cara da Copa.

O evento da Caixa já faz parte da nova política do governo do Distrito Federal para o recinto: por não receber jogos suficientes, já que os clubes de Brasília estão ausentes das principais divisões do futebol brasileiro, passou oficialmente a “casa de espetáculos”, com um aluguer 85% mais baixo do que o previsto, para diminuir a ociosidade.

Pelo meio, serviu de sede de escritórios de empresas e até de estacionamento para autocarros.

O que a Caixa, com Temer ou sem Temer, celebrará hoje no Mané Garrincha será mais uma cena do desperdício criminoso do estado brasileiro.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

Pedro Queiroz Pereira

Pedro Queiroz Pereira deixa império de mil milhões

Pedro Queiroz Pereira, presidente do conselho de administração da Semapa

Semapa: “Mais do que um património, PQP deixa força e deixa valores”

Outros conteúdos GMG
Cenas de desperdício