Opinião

Censura a cargo de algoritmos

Fotografia: Vincent Kessler/ Reuters
Fotografia: Vincent Kessler/ Reuters

O parlamento europeu aprovou uma diretiva que prevê que o conteúdo publicado em redes sociais terá de ser passado por filtros de copyright.

É domingo, fomos à bola ver o clube favorito e publicamos no Facebook uma foto da vitória no estádio? – censurado. A história de instagram com a música de fundo favorita? – censurada. Os reviews e opiniões de produtos, serviços que tanta vezes fazemos ou seguimos nas redes sociais? – censurados.

O parlamento europeu aprovou esta semana uma diretiva que prevê que o conteúdo publicado em redes sociais por qualquer plataforma terá de ser passado por filtros de copyright que examinem esse conteúdo e os censurem caso contenham elementos que possam representar uma violação de direitos de autor.

A verdade é que a internet se tornou parte de tudo o que fazemos. Um jogo de futebol não é o mesmo se não for comentado em tempo real, e imortalizado numa qualquer rede social. Esta tentativa de policiar e preservar os direitos de autor acabou por atrair lobistas e políticos barulhentos, em vez de trazer para a discussão as partes implicadas.

O facto de se ter conseguido convencer políticos, artistas e criadores de conteúdo de que há uma tecnologia capaz de filtrar esse mesmo conteúdo e apenas publicar o que foi devidamente licenciado, não torna isso possível do ponto de vista tecnológico. A realidade é que a tecnologia capaz de filtrar este conteúdo de forma inteligente não existe, o custo de a desenvolver só poderá ser suportado por muito poucas empresas (talvez os gigantes tecnológicos), e demorará largos anos até poder ser usada num contexto real.

Em termos tecnológicos, este é um problema semelhante a filtrar conteúdo violento, nudez ou terrorismo nas redes sociais. A tecnologia existente ajuda a identificar algum deste conteúdo, mas está muito longe de ser suficiente. Isto explica que o Facebook tenha uma equipa de dez mil pessoas a fazer este trabalho manualmente. E estas pessoas não vão ser substituídas no curto prazo por um qualquer algoritmo de Inteligência Artificial, pelo contrário. Esta será a equipa que terá maior crescimento no Facebook durante o próximo ano e chegará às vinte mil pessoas de acordo com o plano de crescimento da empresa.

Os techies e experts que foram consultados no processo foram acusados de falta de visão de futuro e aprovou-se uma diretiva assente na ignorância e que representa um atentado à nossa liberdade e ao modelo aberto que é a internet hoje.

Venture Partner

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa. (Fotografia: Mário Cruz/ Lusa)

Carlos Costa: “Não participei nos 25 grandes créditos que geraram perdas” à CGD

Pedro Granadeiro / Global Imagens

Reclamações. Anacom acusa CTT de divulgar informação enganosa

Paulo Macedo, presidente da CGD

CGD cumpre “com margem significativa” requisitos de capital do BCE

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Censura a cargo de algoritmos