Opinião: Rosália Amorim

“Con ganas”, Espanha pede confiança em Davos

Pedro Sánchez, primeiro-ministro espanhol, em Davos. (Copyright by World Economic Forum / Faruk Pinjo)
Pedro Sánchez, primeiro-ministro espanhol, em Davos. (Copyright by World Economic Forum / Faruk Pinjo)

Pedro Sánchez veio ao World Economic Forum tranquilizar os investidores com a política económica espanhola.

Cautelas e caldos de galinha nunca fizeram mal a ninguém. Por isso, e antes que seja tarde, Pedro Sánchez faz questão de dizer de viva voz aos investidores presentes em Davos que podem confiar no governo espanhol.

Esta é a primeira viagem de Sánchez como primeiro-ministro. Chegou ontem à noite, terça-feira, e concentra os seus trabalhos nesta quarta-feira. Os gestores espanhóis que estão em Davos comentam entusiasmados a sua vinda. Dizem: “Ainda bem que veio, é o primeiro decisor político espanhol que realmente fala inglês e que se fez ouvir em Davos.” É que nem Mariano Rajoy veio nem José Luís Zapatero achava muita graça a estes fóruns em inglês, sobretudo por não dominar o idioma.

Agora encetou-se uma nova era. Tradicionalmente, a primeira viagem do chefe do governo espanhol tinha por destino Marrocos, mas Sánchez cortou com a tradição e veio antes a Davos. Não teve rodeios nem receios das montanhas cheias de neve, sequer de entrar na boca do lobo – leia-se centro do capitalismo – para demonstrar como Espanha pode ser interessante para os homens do grande capital.

Apesar de nesta semana o FMI ter revisto em baixo as previsões de crescimento para aquela economia, Espanha precisa de ser de novo reconhecida como uma praça internacional e de confiança para todos os players internacionais.

Sánchez é o presidente da única verdadeira coligação governamental entre socialistas e um partido de extrema-esquerda numa grande nação europeia. Uma grande nação, cheias de “ganas”, mas que parecia não conseguir encontrar um governo para se governar a si mesmo.

Não só veio até à Suíça como, em alguns fóruns, falou do Podemos sem complexos e com transparência. Fê-lo de peito feito. Para os grandes capitalistas que chegam a Davos, os colegas de coligação são uma espécie de “comunistas perigosos”, mas o líder do executivo de Espanha garante que saberá lidar com esta coligação.

A ver vamos. Se correr tão bem quanto a geringonça portuguesa (que Espanha tentou copiar, mas não conseguiu), então Madrid não estará mal e o crescimento poderá continuar. Assim a coligação se mantenha coesa, equilibrada e com os pés assentes na terra em relação aos desafios que a nação e a Europa enfrentam. Seja como for, Sánchez já marcou pontos na tabela de créditos da comunidade internacional, incluindo media globais – que viram a sua presença, os seus discursos e a sua atitude como um sinal positivo para os anos vindouros.

Rosália Amorim está em Davos

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
lisboa casas turismo salarios portugal

Turismo em crise já pensa no day after

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira. TIAGO PETINGA/LUSA

Governo estima que mais de um terço dos empregados fique em lay-off

Mário Centeno, Ministro das Finanças.
Fotografia: Francois Lenoir/Reuters

Folga rara. Custo médio do petróleo está 10% abaixo do previsto no Orçamento

“Con ganas”, Espanha pede confiança em Davos