Curto e grosso

Mário Centeno fez, num curto espaço de tempo, duas intervenções em que deixou vários recados, curtos e grossos, ao executivo que integrou, o qual não reagiu. Ai se tivessem sido subscritas por Carlos Costa e Centeno fosse ministro!

Diz Centeno ser esta uma crise temporária embora, digo eu, o alfabeto comece a ser curto para a catalogar: andou pelo V e W, sugeriu-se o U e, numa curiosa ordem, já vai no K. E o tempo vai passando... Uma crise temporária requer respostas temporárias, focadas, que não disfarcem problemas estruturais e que não se transformem em estruturais. O caráter temporário e focado é tão mais crucial quanto menor for a margem de manobra do país, leia-se o peso da dívida pública. Não vale a pena elaborar muito sobre esta restrição: no imediato, as intervenções da Comissão Europeia e do BCE têm mantido os mercados líquidos e os custos baixos, mas há sempre falcões a esvoaçar.

Centeno não quer as políticas a salvar empresas inviáveis. Deduz-se que o apoio aos que, assim, perderiam o emprego deveria ser feita pelos mecanismos automáticos e não por medidas ad hoc cujo efeito lateral seria a manutenção de empresas sem futuro. Certo no plano dos princípios, sabe bem que o mercado de trabalho tem, hoje, matizes que não se conjugam com o simplismo do enunciado. E há, ainda, os custos políticos (vide manifestações da restauração).

Voltemos ao ponto principal: as medidas temporárias tornadas estruturais. É difícil não ver, em muitas propostas dos partidos com quem o governo escolheu negociar, este pecado tanto nos apoios sociais e à retoma como, em particular, na configuração do aparelho de Estado e da sua presença futura na vida económica e social. Balizar essa reestruturação sob a pressão de uma crise temporária seria trágico. Uma tragédia a que estamos a assistir: ao não conseguirem encontrar uma base de consenso sobre alguns dos pilares do regime, PS e PSD estarão, cada vez mais, dependentes de franjas radicais para se manterem ou acederem ao poder, com os custos e riscos inerentes.

Alberto Castro, economista e professor universitário

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de