Opinião: António Saraiva

Desafios para o próximo ciclo político

Fotografia: REUTERS/Nacho Doce
Fotografia: REUTERS/Nacho Doce

Na perspetiva de um novo ciclo político que resultará das eleições de outubro, interessa antecipar os desafios que irão condicionar o futuro de Portugal nos próximos anos. Vencê-los é condição indispensável para atingir os objetivos da prosperidade e crescimento.

Nesta linha, identifico cinco grandes desafios:

O desafio da transformação digital e tecnológica, que exige mais investimento e profissionais qualificados.

O desafio da demografia, cujas tendências (em grande parte irreversíveis) terão um impacto profundo na economia e no mercado de trabalho, para além das suas repercussões na sustentabilidade dos sistemas de saúde e de segurança social.

O desafio dos mercados globais, sujeitos às ameaças da onda de protecionismo que hoje vivemos, mas onde as empresas se habituaram, contra todas as adversidades, a explorar oportunidades para crescer.

O desafio do endividamento, do Estado e das empresas, onde encontramos um forte constrangimento ao investimento.

O desafio ambiental e da exploração racional dos recursos, para o qual a sociedade está cada vez mais desperta e que só poderá ser vencido com as empresas.

É à luz destes desafios que devem ser delineadas as políticas públicas que nos podem conduzir ao crescimento que aspiramos.

Se queremos escapar ao determinismo das previsões e crescer a ritmos alinhados com a nossa ambição, é necessário sustentar o crescimento em bases mais sólidas e duradouras, consistentes com um modelo de economia competitiva, assente em setores abertos à concorrência internacional e que apresentam um maior potencial de ganhos de produtividade.

Todos os grandes desafios que identifiquei estão, aliás, profundamente relacionados com a produtividade.

O desafio da transformação digital e tecnológica oferece oportunidades que, se corretamente exploradas, potenciarão a sua evolução.

Os desafios da demografia e dos mercados globais, implicam que a competitividade, assente em aumentos da produtividade, seja condição indispensável para que as empresas cresçam e para que possam suportar aumentos salariais.

O desafio do endividamento está a dificultar a capacidade de o sistema financeiro redirecionar o crédito para os setores que apresentam um maior potencial de ganhos de produtividade, mas só através de ganhos de produtividade as empresas serão capazes de ultrapassar as suas debilidades financeiras.

O desafio ambiental, exigindo a exploração racional dos recursos, é também ele não só conciliável, mas potenciador de mais produtividade.

Podemos, assim, concluir que a produtividade é a variável mais importante para assegurar que Portugal pode alcançar a meta de um crescimento mais forte, mais sólido e mais duradouro.

Exige-se, pois, ao poder político que coloque a produtividade no centro das políticas públicas dos próximos quatro anos. Políticas focadas nas pessoas – finalidade e o mais importante fator de sucesso da economia, na competitividade – caminho para os nossos objetivos e na sustentabilidade – imperativo global que assumimos.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho (D), e o secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita (E). Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Salário mínimo de 635 euros? Dos 617 dos patrões aos 690 euros da CGTP

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

concertação

Governo sobe, sem acordo, salário mínimo até 635 euros em 2020

Outros conteúdos GMG
Desafios para o próximo ciclo político