Opinião

Desmistificar os discursos, conhecer a realidade

Zona Franca da Madeira

A notícia de que as empresas da ZFM vão ter de identificar os seus verdadeiros donos junto do IRN confirma a carência de regulação e fiscalização.

Perante as dúvidas da União Europeia em relação ao significado social, e eventualmente defraudador, da zona franca da Madeira (ZFM), concentrámos a nossa atenção nas brutais e desequilibradas isenções fiscais usufruídas por alguns e nas carências de fiscalização e nas ambiguidades informativas, aproveitadas para campanhas de quase beatificação das suas virtudes. Simultaneamente, a atual escassíssima divulgação pública dos dados possuídos por parte do INE torna as leituras disponíveis manifestamente insuficientes.

A recente notícia de que as empresas da ZFM vão ter de identificar os seus verdadeiros donos junto do Instituto dos Registos e do Notariado confirma a carência de regulação e fiscalização, logo de criminalização que é típico dos offshores que alguns insistem em negar para aquela instituição.

Defendemos uma comissão não enredada em conflitos de interesse (logo, por decisão nacional), competente (cientificamente) e honesta que responda sobretudo a duas questões: (a) quais os reais impactos da ZFM no desenvolvimento regional; (b) o que são efetivamente as instituições que aí atuam. Delas resultará certamente uma terceira: a ZFM justifica-se, em nome do bem-estar e da vida decente em Portugal ou na Europa?

O que é necessário estudar, com um prazo previamente estabelecido? Algumas sugestões:
– Cálculo da economia não registada na Região Autónoma da Madeira (RAM) e aproximações à sua desagregação por tipos e regiões.
– Identificação pormenorizada das empresas, incluindo o registo individualizado das relações laborais (de forma a despistar dons de ubiquidade).
– Radiografia da economia da Madeira e especificação das dinâmicas do seu desenvolvimento.
– Auditar empresas e identificar as que aconselham imediatamente auditorias forenses.
– Se estas indicarem fraudes: apresentação desses casos ao Ministério Público (responsabilização) e de sugestões à Assembleia da República de eventuais alterações legislativas (prevenção).
– Determinar os custos e os benefícios (diretos e indiretos) da ZFM para o desenvolvimento regional da Madeira e do país.

O OBEGEF, nas áreas da sua competência e saber, está disponível para colaborar.

Carlos Pimenta, sócio fundador do OBEGEF

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Mercados

FMI. Dívida de alto risco faz soar os alarmes

Ministro das Finanças de Angola, Archer Mangueira. Fotografia: Direitos Reservados

Archer Mangueira garante solução para dívida a empresas até final do ano

António Costa, primeiro-ministro, e Mário Centeno, ministro das Finanças, num debate parlamentar sobre o OE2019. Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

Outras touradas do Orçamento: as medidas mais arriscadas

Outros conteúdos GMG
Desmistificar os discursos, conhecer a realidade