Opinião

E-commerce: investir, transformar, crescer

2. E-Commerce

Num mundo cada vez mais digital e conectado, empresas de atividade dita tradicional, como os operadores postais, atuam num contexto de profunda transformação e têm vindo a adaptar o modelo de negócio à nova realidade. O consumidor de hoje recebe cada vez mais encomendas e cada vez menos cartas, o que também o torna mais exigente e sempre conectado, exigindo maior rapidez, eficácia e qualidade . As empresas do setor postal e logístico – e também os CTT – têm assim um desafio grande pela frente que acredito ser muito maior em oportunidades que em ameaças.

A compra online em qualquer lugar e a qualquer momento, através de um dispositivo móvel ou das redes sociais, é cada vez mais uma realidade. O comércio é cada mais omnicanal e o retalho online a nível mundial, impulsionado pelo mobile commerce, irá crescer 6 a 8 vezes mais que o retalho físico até 2021, quase duplicando o seu atual peso no total do retalho, atingindo um valor próximo dos 20% do total de vendas.

Para a cadeia logística os desafios são enormes, mas o potencial de crescimento e mudança também. Como adaptar as redes tradicionais a estes novos consumidores e novos perfis de compra, voltados para o comércio online, mesmo que o levantamento seja feito na loja física? Que benefícios pode trazer a inovação e novas tecnologias como a Inteligência Artificial, a Internet das Coisas Postais ou a logística inteligente? Como aplicar em toda a linha a personalização das entregas, mediante a conveniência do cliente, tendo em conta a visibilidade e interatividade informativa? Estas são algumas das questões fraturantes do setor logístico, que serão discutidas já esta semana (5 e 6 de junho) na conferência Deliver, considerada o Web Summit da logística – onde os CTT são parceiros estratégicos – e que vai trazer mais de mil participantes a Portugal.

O e-commerce representa para os CTT mais de 20% do volume do seu total de encomendas, em Portugal e Espanha, com crescimentos anuais acima dos dois dígitos nos últimos anos! Para potenciar este crescimento, temos desenvolvido parcerias com os clientes de retalho e venda online para proporcionar a melhor experiência de entrega das encomendas, contribuído para o desenvolvimento do ecossistema nacional de e-commerce e apostando em novas soluções que vão ao encontro das exigências dos clientes como a nova oferta e-segue (que potencia informação e interação digital com o cliente nas entregas), os cacifos automáticos de entrega, o CTT Now ou ainda o Dott, o marketplace das empresas portuguesas.

Os CTT querem continuar a liderar o mercado em Portugal, mantendo a sua posição de principal operador de entregas e reforçar a operação na Península Ibérica. É para enfrentar os desafios e aproveitar as oportunidades desta nova realidade que os CTT estão a investir 40 milhões de euros na rede postal e logística nos próximos dois anos, no âmbito do Plano de Modernização e Investimento. Este investimento vai reforçar a automatização da separação de correio e encomendas, melhorar as condições de trabalho, reforçar a qualidade e modernizar a infraestrutura da rede de distribuição, adaptando-a à nova realidade do correio e ao crescimento do comércio eletrónico. Este investimento dotará os CTT das ferramentas necessárias para transformar em oportunidades de crescimento os desafios subjacentes à alteração estrutural do negócio postal.

Francisco Simão é administrador dos CTT

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
President of the European Commission Ursula von der Leyen (L) and President of the European Council Charles Michel give a press conference during the second day of a special European Council summit in Brussels on February 21, 2020, held to discuss the next long-term budget of the European Union (EU). (Photo by kenzo tribouillard / AFP)

Conselho Europeu termina em Bruxelas sem acordo

Jerónimo Martins é dona do Pingo Doce

Lojas Pingo Doce “que estavam perto da Mercadona cresceram”

Hebe

Jerónimo Martins expande marca Hebe para Eslováquia e República Checa

E-commerce: investir, transformar, crescer