Opinião

E-commerce: investir, transformar, crescer

2. E-Commerce

Num mundo cada vez mais digital e conectado, empresas de atividade dita tradicional, como os operadores postais, atuam num contexto de profunda transformação e têm vindo a adaptar o modelo de negócio à nova realidade. O consumidor de hoje recebe cada vez mais encomendas e cada vez menos cartas, o que também o torna mais exigente e sempre conectado, exigindo maior rapidez, eficácia e qualidade . As empresas do setor postal e logístico – e também os CTT – têm assim um desafio grande pela frente que acredito ser muito maior em oportunidades que em ameaças.

A compra online em qualquer lugar e a qualquer momento, através de um dispositivo móvel ou das redes sociais, é cada vez mais uma realidade. O comércio é cada mais omnicanal e o retalho online a nível mundial, impulsionado pelo mobile commerce, irá crescer 6 a 8 vezes mais que o retalho físico até 2021, quase duplicando o seu atual peso no total do retalho, atingindo um valor próximo dos 20% do total de vendas.

Para a cadeia logística os desafios são enormes, mas o potencial de crescimento e mudança também. Como adaptar as redes tradicionais a estes novos consumidores e novos perfis de compra, voltados para o comércio online, mesmo que o levantamento seja feito na loja física? Que benefícios pode trazer a inovação e novas tecnologias como a Inteligência Artificial, a Internet das Coisas Postais ou a logística inteligente? Como aplicar em toda a linha a personalização das entregas, mediante a conveniência do cliente, tendo em conta a visibilidade e interatividade informativa? Estas são algumas das questões fraturantes do setor logístico, que serão discutidas já esta semana (5 e 6 de junho) na conferência Deliver, considerada o Web Summit da logística – onde os CTT são parceiros estratégicos – e que vai trazer mais de mil participantes a Portugal.

O e-commerce representa para os CTT mais de 20% do volume do seu total de encomendas, em Portugal e Espanha, com crescimentos anuais acima dos dois dígitos nos últimos anos! Para potenciar este crescimento, temos desenvolvido parcerias com os clientes de retalho e venda online para proporcionar a melhor experiência de entrega das encomendas, contribuído para o desenvolvimento do ecossistema nacional de e-commerce e apostando em novas soluções que vão ao encontro das exigências dos clientes como a nova oferta e-segue (que potencia informação e interação digital com o cliente nas entregas), os cacifos automáticos de entrega, o CTT Now ou ainda o Dott, o marketplace das empresas portuguesas.

Os CTT querem continuar a liderar o mercado em Portugal, mantendo a sua posição de principal operador de entregas e reforçar a operação na Península Ibérica. É para enfrentar os desafios e aproveitar as oportunidades desta nova realidade que os CTT estão a investir 40 milhões de euros na rede postal e logística nos próximos dois anos, no âmbito do Plano de Modernização e Investimento. Este investimento vai reforçar a automatização da separação de correio e encomendas, melhorar as condições de trabalho, reforçar a qualidade e modernizar a infraestrutura da rede de distribuição, adaptando-a à nova realidade do correio e ao crescimento do comércio eletrónico. Este investimento dotará os CTT das ferramentas necessárias para transformar em oportunidades de crescimento os desafios subjacentes à alteração estrutural do negócio postal.

Francisco Simão é administrador dos CTT

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Emprego e as remunerações na indústria aumentaram 0,3% e 1,3%

PS, PSD e CDS chumbam mudanças nas regras dos regimes de turnos

A330-900 neo

A330 neo. Associação de pilotos quer ouvir especialistas na Holanda

(REUTERS/Rafael Marchante)

2019 a caminho de ser o melhor ano de sempre da Autoeuropa

Outros conteúdos GMG
E-commerce: investir, transformar, crescer