E para sobremesa? Uma maçã com energia limpa

Se há algo que gosto de fazer é visitar ambientes fabris, tentar perceber como os processos produtivos funcionam, transformando as matérias-primas ao longo de uma longa cadeia para obtenção de um produto final. Na última visita que realizei a matéria-prima curiosamente era o próprio produto final. Confuso? É fácil explicar. - Visitei a NarcFrutas, uma cooperativa de comércio e produção de Pera Rocha e vários tipos de Maçã. Na fábrica entra fruta e sai fruta.

O processo industrial embora muito automatizado é relativamente simples. Ver circular todas aquelas peras e maçãs, faz-nos criar uma ligação emocional e relembra-nos quando em pequenos os nossos pais recomendavam que consumíssemos fruta. Este conselho nunca esteve tão presente na nossa sociedade, uma vez que os dados de produção e comercialização desta cooperativa têm vindo a subir constantemente e o ano passado atingiram um recorde de vendas.

Neste setor, o negócio estende-se para lá da fábrica e é no campo que a matéria-prima, que também é o produto final, nasce e se desenvolve. A área produtiva situada em pleno Oeste, nos concelhos de Alcobaça, Caldas da Rainha e Nazaré, em que a proximidade do mar e da montanha fornece características únicas de grande qualidade aos frutos. A produção é bastante sustentável com uma utilização muito racional dos produtos fitofármacos, respeitando os critérios mais exigentes de produção. O recurso a largadas de insetos/ácaros é essencial para o controle de algumas pragas sem recorrer à utilização de produtos fitofarmacêuticos, sendo o objetivo atingir a produção resíduo zero, na qual os frutos chegam à fábrica sem fitofármacos quantificados nas análises de resíduos. A fruta na fábrica é unicamente lavada com água, não sendo utilizados químicos.

O conceito de economia circular e minimização de desperdício também está muito presente pois o material orgânico (folhas e troncos) recolhidos nos calibradores, servem de adubo natural para os terrenos. As frutas que não têm o calibre desejado são aproveitadas para sumo.

O maior consumo energético da fábrica são as 32 câmaras frigoríficas com atmosfera controlada e dinâmica, num total de 7.500 toneladas de frio. A atmosfera controlada, permite baixar a taxa respiratória dos frutos, para que o processo de degradação seja mínimo. É neste processo que a central fotovoltaica instalada recentemente contribui com a produção de energia limpa e renovável, reforçando o conceito de sustentabilidade que atravessa toda a cadeia produtiva deste projeto que nasceu em 1998 com vários produtores associados. A potência instalada da central passa a 317 kWp e a produção anual serão 470 MWh. São menos 212 toneladas por de CO2, o que equivale à plantação anual de 5.400 árvores e ao consumo de energia de cerca de 94 agregados familiares.

Terminei a visita a roer uma deliciosa maçã golden, certificada e produzida com energia limpa.

Marketing & Communication Director, na Helexia Portugal

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de