Opinião

Economia Bem Viva

Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante
Fotografia: REUTERS/Rafael Marchante

O ano de 2018, ficou marcado por diversos eventos marcantes na Economia e Política nacionais e internacionais. Encontramo-nos numa fase de reinvenção tecnológica sem precedentes no passado recente, que acarreta tanto benefícios como desafios para o nosso presente e futuro.

Começando pelo Euro, e, consequentemente, pelas fissuras do projeto europeu expostas pela crise, a política monetária tem-se apresentado como um paradoxo, devido às diferentes estruturas produtivas entre os países europeus. Mesmo após a recuperação do Euro, no pós-crise, novas ameaças têm surgido: divergência nas políticas públicas – como é o caso de Itália – e o crescimento do nacionalismo, que põem em causa o projeto europeu criado ao longo dos últimos setenta anos.

Do outro lado do globo, a guerra comercial norte-americana apresenta-se como questão fulcral. Desde janeiro de 2018 que os EUA têm imposto tarifas a importações, inicialmente chinesas, mas posteriormente alargadas a canadianas, mexicanas e europeias. Desde então, tanto a China como a UE têm vindo a retaliar com ações semelhantes. Tendo em consideração que o comércio entre os EUA e a UE representa 33% do comércio de produtos e 42% do comércio de serviços globalmente, é intuitivo o impacto que esta situação poderá ter na economia mundial.

Já em Portugal, vive-se hoje o período mais prospero da década, após ter reconquistado a confiança dos mercados financeiros. No entanto, vários problemas persistem, sendo o SNS um deles. A dívida galopante de 2,9 mil milhões, em 2017, segundo o relatório do Tribunal de Contas do mês passado, o desinvestimento ao longo das últimas décadas e os casos de má gestão, têm vindo a agravar um serviço outrora considerado dos melhores ao nível europeu, mesmo com os aumentos de orçamento nos últimos 3 anos.

Podemos, igualmente, relacionar o momento actual com o crescimento do turismo. Considerado por muito, como o motor da recuperação portuguesa, alcançou crescimentos anuais nas receitas de 20%. No entanto, isto tem vindo a ser associado à subida dos preços do imobiliário, sendo estes – em especial nos centros urbanos de Lisboa e Porto, onde o preço do m2 cresceu mais de 40% entre 2017 e 2018 nalgumas freguesias – atualmente considerados incomportáveis para os rendimentos nacionais.

Voltando ao Velho Continente: desde o início do século que a produtividade nos países europeus tem crescido pouco, tendo inclusive caído nalguns. Para Erik Brynjolfsson, professor no MIT, a Europa poderá estar a experienciar um fenómeno semelhante ao que ocorreu nos EUA durante os anos 70 e 80: uma estagnação da produtividade explicada pelo atraso na implementação da tecnologia de ponta no tecido corporativo, que ficou apelidada de Paradoxo de Produtividade. Uma das razões apontadas, prende-se com a possível discrepância na contabilização da produtividade, em especial dos meios digitais. No entanto, não existe ainda uma explicação concreta para a situação.

De entre estas tecnologias destacamos a Inteligência Artificial (IA): uma das mais inovadoras do momento. Desde a sua introdução, em 1956, foram registadas mais de 340 mil patentes (até 2016), tendo mais de metade ocorrido nesta década. No entanto, os alertas sobre a sua utilização da economia são vários e vindo de diferentes sectores: para Bill Gates, por exemplo, a IA poderá vir a entrar em “conflito com os objetivos dos sistemas humanos”, podendo vários empregos ser automatizados por completo. Simultaneamente, esta é uma oportunidade, se desenvolvida conscientemente, para criar novos empregos que substituirão os que serão perdidos.

Nenhuma das questões aqui colocadas tem uma resposta correta ou errada: são alvos de diferentes debates de ideias, soluções e conclusões. Um destes palcos será o ciclo de conferencias Economia Viva 2019, que se realizará pelo quarto ano consecutivo na Nova School of Business and Economics – agora em Carcavelos –, organizado pelo núcleo de Economia (Nova Economics Club) e a Associação de Estudantes (Nova Students’ Union). Convidamos o estimado leitor a consultar o nosso site (www.economiaviva.pt) e a juntar-se a nós entre os dias 11 e 15 de fevereiro.

Paulo Matos, aluno de Economia da Nova SBE
Este artigo é escrito no âmbito de uma parceria editorial Dinheiro Vivo e Nova Economics Club

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
(Tony Dias/Global Imagens)

Consumo dispara e bate subida de rendimentos

Hotéis de Lisboa esgotaram

“Grandes” eventos impulsionaram aumento dos preços na hotelaria em junho

Catarina Martins, Bloco de Esquerda

Catarina Martins diz que “Ryanair não pode ter um estatuto de impunidade”

Outros conteúdos GMG
Economia Bem Viva