Efeitos da prorrogação da situação de calamidade no teletrabalho

Conheças as alternativas, as situações em que é obrigatório e quando tem de haver acordo entre as partes

Sim. Através da Resolução do Conselho de Ministros n.º40-A/2020, de 29 de maio, nesta nova fase de desconfinamento, o regime de teletrabalho deixa de ser obrigatório.

Relativamente às alternativas ao teletrabalho, podem ser implementadas, dentro dos limites máximos do período normal de trabalho e com respeito pelo direito ao descanso diário e semanal, medidas de prevenção e mitigação dos riscos decorrentes da pandemia, mormente, a adoção de escalas de rotatividade de trabalhadores entre o regime de teletrabalho e o trabalho prestado no local de trabalho habitual, diárias ou semanais, horários diferenciados de entrada e saída, horários diferenciados de pausas e de refeições.

A resposta é afirmativa. Este regime é obrigatório quando requerido pelo trabalhador, independentemente do vínculo laboral e sempre que as funções em causa o permitam, nas seguintes três situações:

Ao mesmo tempo, o regime de teletrabalho é ainda obrigatório, independentemente do vínculo laboral e sempre que as funções em causa o permitam, quando os espaços físicos e a organização do trabalho não permitam o cumprimento das orientações da Direção-Geral da Saúde (DGS) e da Autoridade para as Condições do Trabalho sobre a matéria, na estrita medida do necessário.

Não. Essa possibilidade é aplicável apenas a um dos progenitores, independentemente do número de filhos ou dependentes a cargo.

Sim, existem. Para além das situações referidas nesse diploma, existe o caso dos trabalhadores vítimas de violência doméstica e, ainda, os trabalhadores com filho com idade até aos três anos quando o teletrabalho seja compatível com a atividade desempenhada e a entidade empregadora disponha de recursos e meios para o efeito.

Numa situação dessas, será necessária a existência de acordo entre trabalhador e empregador. Importa não esquecer a comunicação da alteração à companhia de seguros.

Neste momento, a situação de calamidade foi declarada para todo o território nacional até às 23:59h do dia 14 de junho de 2020, sem prejuízo de (possível) prorrogação ou modificação.

 

Eduardo Castro Marques, advogado de laboral, da Sociedade de Advogados Cerejeira Namora, Marinho Falcão

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de