Opinião

Estão as empresas e o país mais bem preparados ?

Fotografia: Paulo Jorge Magalhães/Global Imagens
Fotografia: Paulo Jorge Magalhães/Global Imagens

Há muito trabalho a fazer, nomeadamente ao nível do aumento da produtividade, da dimensão das empresas e da redução do peso do Estado

Esta segunda-feira participei no programa da RTP1 “Prós e Contras”, na Fundação de Serralves, com o tema em análise “Estão as empresas portuguesas mais resilientes para uma eventual crise financeira?”.

Ao longo do debate pairou algum otimismo e o reconhecimento de que há ainda muito por fazer.

Eu próprio assinalei que o país e as empresas estão hoje mais bem preparados do que há uma ou duas décadas atrás. Hoje temos setores transacionáveis que concorrem com outras valências, que na altura não eram tão relevantes. O tecido empresarial foi-se modernizando ao longo de toda a cadeia de valor, a montante através de uma ligação muito forte aos centros de saber e às universidades, e a jusante com uma forte aposta na distribuição, no marketing e, mais recentemente, no comércio digital.

As empresas melhoraram a sua relação com o sistema financeiro, reduzindo o endividamento, e a sua situação de balanço, nomeadamente os rácios de autonomia financeira.

Investiu-se na qualificação dos recursos humanos, uma mais-valia para vencer no mercado global e concorrencial. Contudo, foi insuficiente. A dificuldade em contratar mão-de-obra qualificada é hoje um dos principais constrangimentos das empresas, ao qual o sistema de educação não conseguiu responder adequadamente.

Face às dificuldades no mercado interno, para além da vontade própria, as empresas internacionalizaram-se de forma expressiva – com uma forte subida da intensidade exportadora –, o que para mim constitui a grande mudança estrutural.

Temos hoje uma economia mais aberta, o que sendo bom, face à exígua dimensão do mercado nacional, coloca-nos simultaneamente numa situação de maior vulnerabilidade face ao que se passa lá fora.

O processo de internacionalização crescente é também muito evidente no investimento direto. Hoje, Portugal é muito procurado por investidores estrangeiros.

Hoje, a marca Portugal acrescenta valor, quando há alguns anos atrás retirava valor aos nossos produtos.

Apesar de tudo isto, como referi no início, há muito trabalho a fazer, nomeadamente ao nível do aumento da produtividade, que é muito baixa, da dimensão das empresas, com escala insuficiente para inserção no comércio mundial, e da redução do peso do Estado, que permita diminuir a elevada carga tributária, sobretudo se relativizada pelo nosso nível de desenvolvimento, só para citar alguns exemplos.

 

Paulo Nunes de Almeida, presidente da Associação Empresarial de Portugal (AEP)

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa. (Fotografia: Mário Cruz/ Lusa)

Carlos Costa: “Não participei nos 25 grandes créditos que geraram perdas” à CGD

Pedro Granadeiro / Global Imagens

Reclamações. Anacom acusa CTT de divulgar informação enganosa

Paulo Macedo, presidente da CGD

CGD cumpre “com margem significativa” requisitos de capital do BCE

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Estão as empresas e o país mais bem preparados ?