Floresta, sustentabilidade do território … e agricultura

A base do modelo futuro de ocupação e sustentabilidade do território rural português já existe. Resulta de uma conjugação equilibrada entre floresta e agricultura, é eficaz e eficiente, promove a sustentabilidade social e respeita o ambiente. Tem por base duas premissas - viabilidade económica e gestão activa.

Uma parte importante do território de Portugal é já gerido com base em actividades económicas viáveis. São produções florestais e agrícolas certificadas, com uma aposta nas florestas com gestão certificada FSC e PEFC e em culturas agrícolas em regime de Produção Integrada ou Produção Biológica. Trata-se de uma resposta clara às preocupações da sociedade de mais segurança alimentar, mais diversidade de escolha e maior respeito pelo ambiente.

Percorrendo o caminho que a sociedade prega, mas que nem sempre pratica, os agricultores produzem com menor pegada carbónica, menos água e maior biodiversidade, ao mesmo tempo em que apostam em mais tecnologia e conhecimento.

Para reforçar este caminho de sucesso e potenciar um território em que a economia verde - de baixa emissão de carbono, eficiente no uso dos recursos e socialmente inclusiva - seja uma realidade ainda mais presente, Portugal precisa de assegurar um conjunto de acções:

1. A rede estratégica de faixas de gestão de combustíveis, diminuindo o risco de incêndio e resolvendo o incomportável ónus de protecção civil colocado sobre os proprietários rurais;

2. A adequada transmissão de valor à base produtiva, assegurando um preço justo pela produção primária;

3. A alteração do paradigma de gestão do minifúndio, contornando a falta de dimensão da malha fundiária, que na floresta é especialmente grave, apostando em soluções territoriais de que as Zonas de Intervenção Florestal (ZIF) são um exemplo provado;

4. O aumento da reserva estratégica de água - de fins múltiplos, mas com foco no regadio - potenciando a resiliência às alterações climáticas;

5. O fortalecimento do papel único dos sistemas agro-florestais mediterrânicos, domínio onde o sobreiro - a árvore nacional - é elemento fulcral, distintivo e montra de sustentabilidade.

Por razões de todos conhecidas temos hoje hipótese de o fazer: os problemas estão identificados e quantificados, temos um prazo temporal para cumprir e existem fundos disponíveis.

Se queremos um território social e ambientalmente mais sustentável precisamos de mais árvores, no sítio certo, e de mais água, que utilizaremos eficientemente. E não poderemos apontar responsabilidades a terceiros se falharmos neste objectivo.

Temos que pôr mãos à obra, porque como canta Chico Buarque: "... está provado que quem espera nunca alcança!"

O autor escreve segundo o antigo Acordo Ortográfico

* António Gonçalves Ferreira, Vice-Presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) e Presidente da UNAC - União da Floresta Mediterrânica

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de