Opinião: Rosália Amorim

Há apostas nas Finanças?

O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: Paulo Novais / Lusa
O ministro das Finanças, Mário Centeno. Fotografia: Paulo Novais / Lusa

Mário Centeno irá para o Eurogrupo

Nos corredores do Ministério das Finanças estarão já a fazer-se apostas com base no cenário – dado como mais provável durante esta semana – de Mário Centeno, ministro das Finanças, vir a liderar o Eurogrupo. Pelos corredores têm soado nomes como o do ministro Pedro Marques para substituir Centeno nas Finanças. Mas também se tem ouvido o nome do ministro Vieira da Silva para o Eurogrupo, lado a lado na corrida com Centeno, numa altura em que a dimensão social ganha escala na Europa.

Resta saber se são ou não cenários construídos e difundidos para desviar as atenções de outros temas mais quentes, como a dívida pública que vai crescendo para os 130% do PIB e o rating que continua no lixo…

Em pleno verão, em que quase nada se passa no país e poucos assuntos – para além dos incêndios – agitam os ministérios, as apostas animam o casino político… Vale o que vale, afinal estamos na silly season!

Falando de verão, nesta edição o destaque vai para os negócios desta época que cresceram e já duram o ano inteiro: casos que evidenciam a resiliência de empreendedores portugueses, bem como uma grande capacidade de se reinventarem e de ver nas dificuldades várias oportunidades. A palavra sazonalidade não faz parte do dicionário destes empresários, que não baixam os braços mesmo debaixo de vento e chuva. Essa chuva pela qual tantos agricultores rezam há semanas, já que enfrentam uma seca extrema.

Quem também não desiste da sua luta é a Associação do Alojamento Local, que representa uma atividade tão criticada por invadir as cidades de turistas e por inflacionar as rendas, mas que continua a acreditar que o negócio tem futuro, apesar de não ser uma galinha dos ovos de ouro. Vale a pena ler a entrevista ao presidente da associação, Eduardo Miranda. E, na ótica do investimento, um outro artigo explica porque o alojamento local pode demorar 18 anos a dar retorno, por isso, antes de investir, faça as contas e não se precipite. Afinal estamos a viver uma bolha, como defendem vários especialistas financeiros e imobiliários. Bons investimentos e boas férias!

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página Inicial

Ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, com responsáveis da VW na apresentação do T-Roc. Fotografia: DR

Caldeira Cabral confiante em acordo com trabalhadores da Autoeuropa

Fátima Barros, presidente da Anacom
Fotografia: Álvaro Isidoro / Global Imagens

Operadores dificultam rescisões de contratos e Anacom divulga alternativas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Há apostas nas Finanças?