Incompetência ou estupidez

Vivemos uma pandemia global. Os números são o que são. Hoje, somos 7.839.437.960 pessoas neste planeta extraordinário. Ao mesmo tempo, entre todas estas pessoas, como nós, temos 94.602.745 pessoas infetadas pelo, comummente falado coronavírus, equivalente a 1,2% da população mundial. Contudo, desses infetados 67.539.634 pessoas já se curaram, equivalente a 71% dos infetados, tendo, infelizmente, morrido 2.023.807 pessoas, equivalente a 2,1% das pessoas infetadas e 0,025% da população deste nosso Mundo. Estes são os números reais de hoje de acordo com a worldmeters.info.

E em Portugal, como estamos? De acordo com os últimos dados recebidos quer pelo ourworldindata.org como pela própria ONU, o nosso País seria hoje o País com mais casos confirmados da nossa Europa e no pódio dos Países do Mundo. De acordo com coronavirus.rr.sapo.pt, até agora, Portugal registou 539.416 casos positivos confirmados, equivalente a 5,3% da população nacional, dos quais 402.542 desses casos estão recuperados, equivalente a 74,6% dos caso positivos, e registando, infelizmente, 8.709 mortes desde janeiro de 2020, equivalente a 1,6% dos casos positivos confirmados e a 0,085% da população nacional (considerando a população nacional de hoje de 10.163.545, de acordo com o countrymeters.info).

Por outro lado, de acordo com o pordata.pt, nos últimos 20 anos morreram em média por ano 86.865 pessoas em Portugal, das quais, no mesmo período e média, 35.191 pessoas morreram por doenças do aparelho circulatório (equivalente a 40,5% das mortes médias anuais ocorridas no mesmo período), 24.262 pessoas morreram por tumores malignos (equivalente a 27,9% das mortes médias anuais ocorridas no mesmo período), 4.283 pessoas morreram de diabetes (equivalente a
4,9% das mortes médias anuais ocorridas no mesmo período), 3.757 pessoas morreram por acidente (equivalente a 4,3% das mortes médias anuais ocorridas no mesmo período) e 11.532 pessoas morreram por doenças do aparelho respiratório (equivalente a 13,2% das mortes médias anuais ocorridas no mesmo período) mas também morreram, no mesmo período, 8.709 pessoas por covid-19 - (equivalente a 10% das mortes médias anuais ocorridas no mesmo período).

Importa, ainda, ressalvar, que, hoje, em Portugal e em praticamente todos os Países Europeus, independentemente da causa efetiva da morte de cada pessoa se, no fim, testa covid, a causa é irrelevante e o que conta é o covid. Isto é, se eu cair de mota e me passar um carro por cima e morrer, uma fatalidade, mas se depois testar positivo, a causa da minha morte não será a queda e atropelamento fatal, será a covid.

Por outro lado, apesar da intensidade noticiosa e governativa, poderemos constatar que, hoje, de repente, o Mundo parou devido a um impacto mortífero mundial equivalente a 0,025% da população mundial. E que o nosso Governo nada faz (porque tudo é um limbo) devido a um impacto equivalente a 0,085% da nossa população nacional. Fará, mesmo, sentido? Será lógico?

Penso que não. Penso, sinceramente, que nos estamos a suicidar. Quer em termos emocionais, pois os nossos avós e geração do saber e da história crucial para percebermos o presente e futuro está isolada e em pânico, a viver os dias de ouro que lhes possam faltar sem afeto, sem família, sem amor e sem paz. Porque a geração ativa, de que faço parte, crucial para o futuro do nosso País, começa a ficar deprimida, desmoralizada e a hipotecar a sua vida. Porque a economia, crucial para as nossas vidas, está frágil, endividada, impaciente e em standby. Mas pior, porque muitos de nós, a grande maioria, o equivalente aos 90% das mortes, pelo menos em Portugal, já não são a prioridade.
Mas que loucura! Porquê? Para quê? Tudo isto, fará, mesmo, sentido?

Apesar destes números a comunidade científica, os media e os médicos todos os dias relatam casos inacreditáveis e desumanos sobre a situação de saúde pública que estamos a viver. Muito diferente dos números reais e contextualizados que devemos conhecer. Mas, afinal, o que se passa mesmo? Já não tivemos surtos de gripes e outras patologias que sufocaram o nosso serviço nacional de saúde?

Não estaremos perante um problema nacional crónico de falta de capacidade e/ou planeamento? Ou, até, em face do receio de incapacidade do nosso serviço nacional de saúde já em março/abril de 2020, altura em que vivíamos com números irrisórios face à situação atual, mas que os media e os comentadores nos alertavam para tudo estar falido e em rutura, afinal, não estamos a conseguir responder? E porquê que não nos preparámos para o inverno sempre duro e mais intenso?

Por fim, ou o retrato da situação se consubstancia nos dados e números existentes e, de facto, estamos a matar os Portugueses e as nossas famílias por isolamentos e morte económica sem razão; ou estamos perante, afinal, um caso muito sério e então este estado de emergência com mais de "setenta" exceções é insuficiente e uma enorme irresponsabilidade. Pois, se, afinal, os dados forem outros, então que se feche tudo, se compense tudo, durante o tempo necessário, e que o exército venha para rua para nos garantir a segurança e isolamento exigido. Espero, sinceramente, se assim for, que a nossa Governança não esteja à espera das eleições presidenciais para atuar em conformidade.

Há qualquer coisa em tudo isto que não bate certo. Ou estamos todos estúpidos ou somos governados por incompetentes.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de