Opinião

Keynesiano só quando dá jeito…

John Keynes
John Keynes

Onde estão os ditos keynesianos que agora deveriam defender um verdadeiro superavit e não um ligeiro saldo positivo a saber a poucochinho?

Lembra-se de quando, no tempo da intervenção da troika em Portugal, ilustres economistas, dizendo-se keynesianos, defendiam políticas expansionistas, contrariando assim as medidas de austeridade então aplicadas? O interessante é que parece que esses mesmos economistas deixaram de ser keynesianos.

Mas comecemos pelo início. John Maynard Keynes é provavelmente o mais importante economista do século XX. A sua teoria influenciou de modo decisivo as políticas que permitiram a recuperação das principais economias mundiais na sequência da Grande Depressão que teve início no crash bolsita de 1929. Políticas que, realce-se, se mantiveram no centro da agenda dos governos durante cerca de cinquenta anos.

A base do seu pensamento é simples: o princípio do equilíbrio orçamental permanente não faz sentido. Pelo contrário, aquilo que o Estado deve fazer é estimular a economia em épocas de recessão (através da redução da carga fiscal e do aumento dos gastos públicos) mesmo que para isso seja necessário incorrer em défices orçamentais. Claro que o grande economista inglês acrescentava que esses mesmos défices deveriam ser compensados por superavits gerados em épocas de expansão.

Desta forma, abandonando o princípio rígido do equilíbrio orçamental, caberia aos governos prosseguir políticas anticíclicas, suportando saldos negativos em tempos de recessão que seriam contrabalançados por excedentes em fases de expansão.

Foi a primeira parte deste raciocínio que esteve na base do argumento de que a austeridade (ou ajustamento, como se preferir) não fazia sentido: aquilo que o país precisava naquela época era de estímulos e não de cortes de despesa e subida de impostos.

O que é interessante é que no momento atual, com uma conjuntura favorável, o Orçamento de Estado tem continuado a gerar défices. Bem, parece que em 2020 o saldo será nulo – ou até, quem sabe, ligeiramente positivo, espantando tudo e todos na linha do que Mário Centeno tão bem sabe fazer não só em matéria financeira como de gestão de expectativas.

Onde estão os ditos keynesianos que agora deveriam defender um verdadeiro superavit e não um ligeiro saldo positivo a saber a poucochinho? É fácil ser-se keynesiano só quando dá jeito…

Vice-Reitor da Universidade Portucalense

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
O presidente do Novo Banco, António Ramalho, discursa na cerimónia de lançamento do Projeto de Divulgação Cultural do Novo Banco. Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Banca custou ao Estado mais 1,5 mil milhões de euros em 2019, agora ajude

coronavirus portugal antonio costa

Proibidos ajuntamentos com mais de cinco pessoas. Aeroportos encerrados

O primeiro-ministro, António Costa, fala aos jornalistas no final da reunião do Conselho de Ministros após a Assembleia da República ter aprovado o decreto do Presidente da República que prolonga o estado de emergência até ao final do dia 17 de abril para combater a pandemia da covid-19, no Palácio da Ajuda, em Lisboa, 2 de abril de 2020. 
 MÁRIO CRUZ/POOL/LUSA

Mapa de férias pode ser aprovado e afixado mais tarde do que o habitual

Keynesiano só quando dá jeito…