Opinião

Legitimidade ou radicalismo?

JOSÉ SENA GOULÃO / LUSA
JOSÉ SENA GOULÃO / LUSA

Todo o país percebe as dificuldades e a vida dura dos motoristas de matérias perigosas. Já o disse, aqui e em comentários televisivos, que as suas reivindicações são legítimas, desde a primeira hora. As suas condições laborais devem ser revistas e serão, certamente.

O que o país começa a não perceber e a questionar é: onde é que vão parar estas reivindicações?

Os motoristas não escolheram o mês e a semana em que agendaram o protesto por acaso: é aquele em que todo o país se dirige para a estrada para gozar as desejadas férias, seja a norte seja a sul, e com o feriado de dia 15 há ainda mais turistas na estrada. A data escolhida faz com que o impacto nos portugueses e nos próprios media seja plenamente alcançado…

Não se vislumbra diálogo nem consenso. Apesar do ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, ainda acreditar que a bom porto se chegará, os portugueses não estão assim tão otimistas e a prova disso é que esgotaram os jerricãs em todo o país. Os cidadãos assistem e comentam um certo radicalismo que parece apoderar-se do sindicato que reúne estes motoristas, o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas, organização que não é afeta à UGT nem à CGTP.

Hoje assistimos a posições extremadas, de uma entidade independente dos grandes sindicatos, semelhantes às que conhecemos quando foi a greve na AutoEuropa e a greve dos Estivadores. Ontem o presidente da República proferiu uma afirmação que resume o atual sentimento dos portugueses: “Esta greve é contra os patrões, mas também contra o Estado e os portugueses”.

Antes do fecho desta edição cinco transportadoras anunciaram que vão dar entrada com uma providência cautelar, durante o dia de hoje, a pedir a ilegalidade do pré-aviso de greve dos motoristas e dos fundamentos desse pré-aviso de greve. Consideram que há um abuso do direito à greve e da boa-fé, que estava em curso um processo negocial, e o que está em causa é o princípio da proporcionalidade.

A ver vamos no que dá a providência, mas uma coisa é certa: a legitimidade não deveria confundir-se com radicalismo.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
President of the European Commission Ursula von der Leyen (L) and President of the European Council Charles Michel give a press conference during the second day of a special European Council summit in Brussels on February 21, 2020, held to discuss the next long-term budget of the European Union (EU). (Photo by kenzo tribouillard / AFP)

Conselho Europeu termina em Bruxelas sem acordo

Diretor-geral da fábrica da PSA Mangualde, José Maria Castro, fotografado na linha de montagem. (Fernando Fontes / Global Imagens )

Futuro da PSA Mangualde depende de apoio do Governo a projeto de 18 milhões

O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, discursa durante o almoço-debate "Os Desafios da Ferrovia: Infraestrutura, Serviços e Indústria", organizado pelo International Club of Portugal num hotel de Lisboa, 21 de fevereiro de 2020. TIAGO PETINGA/LUSA

Prejuízo da TAP “não foi um desvio qualquer” e já devia ter tido lucro

Legitimidade ou radicalismo?