Opinião

Nem todas as teorias merecem oxigénio

Fotografia: REUTERS/Dado Ruvic
Fotografia: REUTERS/Dado Ruvic

Os esforços da Google em aumentar a sua diversidade são vistos

O fim de semana foi explosivo na Google, depois do memorando interno de um engenheiro se ter tornado viral dentro da companhia e, obviamente, vazado na Internet. É um trabalho extenso que pode ser resumido em duas ideias fundamentais: há menos mulheres na indústria tecnológica por causa das diferenças biológicas, não por machismo, e a Google precisa de se concentrar em ter mais pessoas de direita em vez de querer aumentar a sua diversidade (com mulheres e diferentes raças).

Este manifesto argumenta que as mulheres são naturalmente predispostas para tomar conta dos outros, a interessarem-se por pessoas, enquanto os homens se interessam por coisas e são mais resistentes ao stress, pelo que se dão melhor em trabalhos inflexíveis como os de engenharia. Que as mulheres são colaborativas e cooperativas, e que um dos preconceitos da Esquerda é querer ajudar os mais fracos. Que este manifesto deveria abrir a discussão, e propõe como solução desviar o foco de mais empatia e colocá-lo na ideologia.

As reações foram diversas: o homem deve ser despedido pela Google; o homem é uma besta, mas deve ter direito a expor a sua opinião; o homem é um herói e disse o que muita gente pensa em privado. Ao final do dia de ontem, a Google já o tinha despedido. Foi assim que se soube a sua identidade: é James Damore.

Ó meu caro James, meu elétrico atrasado em dia de chuva, meu café com borras depois de uma insónia: não, nem todas as teorias merecem oxigénio. A Primeira Emenda protege o direito à opinião e expressão, é certo; mas isto não é uma opinião enfiada num canto lamentável do Facebook. Isto é um manifesto, circulado numa empresa onde 80% dos engenheiros são homens, com o claro objetivo de questionar a competência das engenheiras – estão ali porque são boas, ou são um caso de caridade? Ele, tal como muita gente na América, acredita que o domínio dos homens brancos na indústria tecnológica (e nas hierarquias das empresas, nos mercados financeiros, na banca, nos bairros mais cobiçados) é fruto de uma seleção natural. Ele parte do princípio que toda a gente começa no mesmo ponto e simplesmente acontece que os homens brancos conseguem ir mais longe. Os esforços da Google em aumentar a sua diversidade são vistos, portanto, como uma forma artificial de retirar o lugar a quem merece e dá-lo a quem é menos qualificado mas tem uma pele mais escura ou o período uma vez por mês. O facto de a Google o ter despedido sem apelo nem agravo talvez seja melhor compreendido no contexto dos problemas legais em que está envolvida. O Departamento do Emprego norte-americano abriu um processo de investigação à empresa por discriminação salarial das mulheres, que é sistemática e abrange todas as áreas de operação.

Pelo tom da escrita, supor-se-ia que o autor é uma autoridade em termos de biologia – e segundo o seu Linkedin, é mesmo, com cursos avançados na área em Harvard e Universidade do Illinois. Isso torna ainda mais incompreensível o que ele diz sobre a diferença entre os dois géneros e os seus efeitos na engenharia. Tal como nota o engenheiro Yonatan Zunger, que saiu da Google na semana passada, a função de um engenheiro é muito mais colaborativa – e exige empatia pelos utilizadores e colegas – que escrever código sozinho num cubículo.

Damore também ignora factos históricos: que o número de mulheres em ciências da computação nos anos 60 e 70 era mais elevado do que é hoje – 37% dos estudantes de licenciaturas na área eram mulheres, enquanto hoje a percentagem é inferior a 18%. Durante décadas, o número de mulheres que estudavam ciências da computação crescia mais rapidamente que o número de homens. Muitos dos primeiros programadores, os pioneiros, eram mulheres. As coisas mudaram quando, nos anos oitenta, o advento do computador pessoal foi promovido como coisa para rapazes. O rapaz vai para o curso de verão de computadores, a rapariga vai para o ballet. A ideia de que só os miúdos se interessavam por computadores ajudou a obliterar uma geração inteira de potenciais engenheiras e programadoras, e ainda não conseguimos voltar ao que havia antes. Mas trata-se mais de engenharia social do que lacunas biológicas. Essa ideia do manifesto não é muito diferente das teorias que se usavam para justificar a segregação (os negros são mais estúpidos, mais selvagens, é biológico) e a barragem de mulheres numa série de profissões (são mais fracas, neuróticas, irracionais).

Esta noção de que se deve dar espaço à discussão de toda e qualquer ideia absurda que vem à cabeça de uma pessoa não contribui para uma sociedade mais aberta, contribui para legitimar teorias insanas e perigosas. Tome-se o exemplo desta nova série que os criadores de “A Guerra dos Tronos” vão fazer para a HBO: é um mundo alternativo em que o Sul venceu a Guerra Civil e a escravatura de negros continua a ser permitida. Existe um movimento nas redes sociais para impedir que a série seja produzida, e bem, caramba. Quantos filmes e séries exploraram já a escravatura em cem anos de cinema e televisão? De quantos precisamos para perceber que a escravatura foi um dos crimes mais hediondos da história da Humanidade, e que fantasiar sobre a sua continuidade é algo que só pode trazer entretenimento a quem nunca teve antepassados escravizados?

Eis aqui uma ideia: porque não uma série em que a pedofilia é legal e podemos seguir os horrores passados pelas crianças alvo de pedófilos? Não? Demasiado ofensivo? Aí temos. Nem todas as teorias merecem oxigénio. Este manifesto da Google não serviu para coisa nenhuma a não ser legitimar as ideias erradas de que as mulheres são inferiores nos campos das ciências e engenharias e que a diversidade racial é um mecanismo que dá lugares a quem não os merece.

James Damore queixa-se de que a sua demissão é ilegal. A Google tem uma cultura dominada por homens como ele e está a tentar mudar isso, não só porque tem as autoridades à perna mas também porque os tempos mudaram e porque a sua própria experiência demonstra os benefícios da diversidade. Yonatan Zunger, o tal ex-engenheiro da Google, coloca a questão de forma eloquente. “Não apenas quase tudo o que é dito nesse documento está errado, o facto de o ter feito causou um malefício significativo às pessoas nesta empresa, e na capacidade de a empresa funcionar. Ter noção desse tipo de consequências também faz parte do seu trabalho, como faria em qualquer outro emprego.”

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página Inicial

Ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, com responsáveis da VW na apresentação do T-Roc. Fotografia: DR

Caldeira Cabral confiante em acordo com trabalhadores da Autoeuropa

Fátima Barros, presidente da Anacom
Fotografia: Álvaro Isidoro / Global Imagens

Operadores dificultam rescisões de contratos e Anacom divulga alternativas

Outros conteúdos GMG
Conteúdo Patrocinado
Nem todas as teorias merecem oxigénio