Opinião

Nem um euro dos contribuintes?

REUTERS/Rafael Marchante
REUTERS/Rafael Marchante

Quando o Estado impõe uma conta ao BCP, é o contribuinte português que está a pagar.

Nesta semana, Mário Centeno e António Costa afirmaram que nem um euro dos contribuintes vai para o Novo Banco (NB). Quem vai pagar os 1149 milhões exigidos pelo NB ao abrigo do acordo de venda à Lone Star é o Fundo de Resolução, que é sustentado por uma contribuição anual dos bancos portugueses. Já foi o Fundo de Resolução que injetou os 4,9 mil milhões de euros de capital inicial no NB. São por isso os bancos a pagar a fatura do NB, não os contribuintes.

Pode aplicar-se a mesma lógica à Segurança Social. Os trabalhadores descontam do salário todos os meses e com estes descontos paga-se aos reformados hoje. Logo, igualmente, nem um euro dos contribuintes é usado para pagar as pensões. Mas não vamos parar aqui. A taxa de contribuição do audiovisual cobrada com a conta da EDP é entregue à RTP. Logo, nem um euro dos contribuintes vai para a RTP. Já agora, o imposto único de circulação que paga para conduzir um carro recolhe receitas suficientes para pagar o orçamento do Ministério da Cultura. Nem um euro dos contribuintes paga a cultura; quem paga são os automobilistas. O IRC rende cerca de 1,3 mil milhões e a justiça custa 1,26 mil milhões. Nem um euro dos contribuintes vai para os tribunais; são as empresas que pagam a justiça.

Espero que sejam exemplos suficientes para perceber a falácia do argumento do “nem um euro”. Os bancos portugueses põem dinheiro no Fundo de Resolução porque o Estado os obriga a tal. O Estado assinou um contrato segundo o qual vai agora dar esse dinheiro ao NB. Na substância, isto não é diferente de taxar os primeiros para dar ao segundo. Para além disso, os bancos portugueses não são um extraterrestre. Como empresa, são contribuintes em Portugal e os seus acionistas pagam impostos. Quando o Estado impõe uma conta ao BCP, é o contribuinte português que está a pagar.

Pode dizer-se que, neste caso, o Fundo está a pedir emprestado e vai pagar com as futuras contribuições dos bancos, pelo que agora eles não estão a pagar um euro. Errado. Quando o Estado tem um défice público faz precisamente o mesmo, e seria um disparate dizer que o contribuinte não está a pagar; pode não estar a fazê-lo hoje, mas vai pagar no futuro. Também se pode dizer que quem paga são os donos dos bancos, e hoje banqueiro é cidadão de segunda categoria. Errado novamente. Para pagar os 1149 milhões, o BPI e a CGD vão ter de gerar receitas e vão fazê-lo, parcial ou totalmente, aumentando os preços que cobram aos seus clientes. Quem paga é o consumidor de serviços bancários. A não ser que me digam que quem paga o IVA não são os contribuintes, mas antes os consumidores, num jogo de palavras infantil.

Por isso a expressão “nem um euro dos contribuintes” pode fazer sentido para explicar às pessoas o que é o Fundo de Resolução ou até para discussões contabilísticas sobre como medir o défice e a despesa públicas. Mas em termos económicos, tudo isto é atirar pó para os olhos. Quem paga são os euros dos contribuintes.

Professor de Economia na London School of Economics

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Carlos Costa, Governador do Banco de Portugal

BES: Processos contra Banco de Portugal caem para metade

O primeiro-ministro, António Costa, gesticula durante o debate quinzenal na Assembleia da República, em Lisboa, 19 de março de 2019. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

António Costa: “Portugal vai continuar a crescer acima da média europeia”

Fotografia: MANUEL DE ALMEIDA/ LUSA

Rendas na energia: João Matos Fernandes encontrou “ambiente crispado”

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Nem um euro dos contribuintes?