Opinião: Manuel Falcão

Novidade de 2019: a guerra de audiências entre a SIC e a TVI

televisão_3

A semana em que o Programa da Cristina foi para o ar foi a primeira em que a SIC liderou em share médio desde há muitos anos.

O despique entre a TVI e a SIC está ao rubro. As alterações introduzidas à grelha da SIC, nomeadamente com o início do Programa da Cristina, vieram alterar o que era o cenário de domínio absoluto da TVI desde há muitos anos. Na altura em que escrevo este artigo estão recolhidas audiências de seis semanas do ano e a SIC liderou em três delas, enquanto a TVI liderou nas restantes. Se olharmos para os resultados globais de janeiro a liderança em termos de share médio foi ainda da TVI com 18,5% de share médio de audiência contra 17,7% da SIC. Em termos de média diária a TVI liderou em janeiro durante 18 dias e a SIC em 14.

A semana em que o Programa da Cristina foi para o ar foi a primeira em que a SIC liderou em share médio desde há muitos anos. No entanto, por melhores resultados que o Programa da Cristina faça (e tem feito face à concorrência no mesmo horário), a verdade é que no período da manhã o número global de espectadores de televisão é reduzido e tem um peso pequeno na média diária. É a partir das 18h00 que o número de espectadores começa a crescer e na maior parte dos dias a TVI tem conseguido manter a liderança.

De qualquer maneira o movimento verificado veio mostrar como os canais generalistas (ou FTA- Free To Air, na terminologia técnica) têm peso na sua capacidade de mobilização de espectadores. Embora a audiência destes esteja a decrescer progressivamente, eles ainda captam entre si (RTP1, SIC e TVI) cerca de 48% do total do auditório de televisão em Portugal. O conjunto dos canais de cabo capta cerca de 40% das audiências e o restante, que é muito e está a crescer, mostra o peso do streaming e de outras utilizações do aparelho de televisão. No cabo o líder continua a ser a CMTV, que fechou janeiro com 3,9% de share. A Globo ficou logo a seguir com 2,4%, a SIC Notícias e a RTP3 (no cabo em TDT) ficaram cada uma com 1,8% e a TVI24 com 1,7%. A Fox continua a ser o canal de séries mais visto, o Hollywood lidera nos filmes e o Disney Channel nos infantis.

Voltando à luta entre SIC e TVI os próximos tempos vão trazer um acirrar da competição – a SIC conseguiu inverter o ciclo de queda e está num momento positivo, mas vai ter de fazer mudanças mais profundas se quiser manter a liderança. É certo que, com esta mudança, a forma como as pessoas olham para a SIC mudou – mostra que a estação está de novo a lutar pelo primeiro lugar. Mas a TVI tem dado sinais de que quer manter a liderança e está a trabalhar nisso. Um dos efeitos colaterais desta guerra já está a ter reflexo na informação destes canais – a SIC, seguindo o que tem sido prática nas estações comerciais de todo o mundo, começou a incluir no seu principal bloco informativo, das 20h00, conteúdos da programação e entretenimento, reportados como se fossem notícias. Isto tem permitido ganhar audiência no momento mais decisivo do dia – aquele no qual mais gente vê televisão e o Jornal da Noite da SIC tem tido melhores resultados. Quando estava na TVI, Cristina Ferreira conquistou a liderança no acesso ao prime time e ajudou a consolidar a liderança do canal. A próxima batalha entre estações vai ser nesse segmento horário – onde por acaso a RTP tem uma posição importante com a O Preço Certo, de Fernando Mendes. Este ano promete mesmo um despique feroz.

Diretor-geral da Nova Expressão, Agência de Planeamento de Media e Publicidade

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa. (Fotografia: Mário Cruz/ Lusa)

Carlos Costa: “Não participei nos 25 grandes créditos que geraram perdas” à CGD

Pedro Granadeiro / Global Imagens

Reclamações. Anacom acusa CTT de divulgar informação enganosa

Paulo Macedo, presidente da CGD

CGD cumpre “com margem significativa” requisitos de capital do BCE

Outros conteúdos GMG
Conteúdo TUI
Novidade de 2019: a guerra de audiências entre a SIC e a TVI