O outro papel do e-commerce

Como ajudar as PME a ter um lugar no e-commerce e em simultâneo Portugal a comprar mais online.

Em Portugal, 99,9% do tecido empresarial é feito de Pequenas e Médias Empresas, mas esta realidade é vasta e variada, existem inúmeros tipos e tamanhos de PME e a digitalização tem sido o seu grande desafio. Se algumas já nasceram com este ADN, outras têm dificuldade em ajustar-se a esta necessidade real, e de hoje (não do futuro), que muitas vezes as tira do radar dos consumidores. É aqui que o e-commerce assume um papel fundamental.

É aqui que o Dott quer fazer diferente. Queremos ajudar as PME a ter um lugar no e-commerce e em simultâneo Portugal a comprar mais online. É esse o nosso papel como primeiro marketplace generalista português, nascido de raiz com esse propósito.

Ajudar a digitalizar Portugal, tanto do lado das empresas como dos consumidores é uma missão, e, na nossa opinião, é mais fácil do que parece. Basta descomplicar. Basta desburocratizar a entrada das empresas neste mundo do online, explicar, tirar dúvidas e estar sempre disponível do outro lado da linha para qualquer questão, por mais pequena ou absurda que possa parecer. Basta dar a este negócio aquilo que o comércio tradicional sempre teve, uma cara, uma voz, uma ajuda personalizada.

Um exemplo disto é a adesão de novos vendedores ao Dott, que tem sido explosiva desde o nosso lançamento a 1 de maio. No primeiro mês tivemos mais de 1 milhão de visitas e mais de 400 novos vendedores inscritos. O que nos faz perceber a clara necessidade e vontade das marcas e empresas portuguesas em marcar presença no online, em ter outro ponto de venda, sobretudo português. Muitas têm uma integração rápida e fácil, mas muitas outras - e não tão poucas como se julga – não têm sequer fotografias dos seus produtos porque nunca estiveram online, porque são aquela loja que sempre abriu portas ao público na rua que todos conhecem, mas que agora pouco tempo têm para lá ir; porque são aquela fábrica que sempre exportou, mas que nunca teve como se mostrar cá dentro; porque apesar de marca conceituada só agora começa a explorar este novo mundo, que apesar de fácil e rápido, é exigente.

A proposta de valor que o e-commerce pode trazer para o tecido empresarial português é gigantesca e cresce a cada dia que passa. Hoje o online tem um target cada vez mais alargado, trazendo conveniência e praticidade. Já não falamos apenas de jovens dos 20 aos 30 anos ou de uma faixa etária com mais poder de compra até aos 40 anos. Hoje, os avós passam horas no Facebook, estão atentos à publicidade online e gostam de escolher, têm tempo para procurar os melhores negócios e produtos fantásticos. Os adolescentes conseguem encontrar as melhores oportunidades e orgulham-se disso. Compram com consciência e dão valor a cada produto como se o conhecessem por dentro e por fora. E até as crianças já sabem navegar e escolher o que querem que os pais lhes ofereçam.

Com estes consumidores digitais, veio a exigência de um serviço próximo e conveniente, cumprindo todas as promessas, e o e-commerce, mesmo parecendo fácil, nem sempre o é. No entanto é para grande parte do tecido empresarial português, a nova onda que é preciso surfar e os ganhos que daí provêm, valem certamente a pena.

Gaspar d’Orey é CEO da Dott

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de