Opinião de Manuel Falcão

O que as abelhas têm que ver com a informação?

abelhas

Ninguém recebeu um cêntimo desses 15 milhões que eram anunciados como medida de emergência imediata para compensar a quebra de receitas em plena pandemia.

Hoje abordo dois assuntos. O primeiro é a citação integral de um magnífico texto que li e que reproduzo já a seguir. E o segundo é a constatação de que uma coisa são os anúncios públicos e as boas intenções, mas outra é a realidade. Vejam estas linhas e saberão do que falo.

Sobre as abelhas. Henrique Saias, um dos fundadores da Paperview, uma empresa que faz parcerias com publishers para facilitar aos leitores a compra de artigos isolados, edições, ou assinaturas, publicou no Linkedin um artigo do qual cito excertos e que me parece do melhor que tenho lido sobre o tema da crise na imprensa. Com a devida vénia, aqui vai:

“Salvar as abelhas da extinção pode parecer uma causa fantástica mas com pouca repercussão na economia. Nada é mais falso. Quando as abelhas se extinguirem a raça humana só sobreviverá quatro anos. Sem abelhas não há polinização e a nossa cadeia alimentar colapsará rapidamente. A mesma coisa passa-se com a imprensa livre e independente. Sem ela não há responsabilização nem verificação do exercício do poder. As ditaduras têm em comum a inexistência de imprensa livre e a maior parte dos abusos que cometem resultam deste facto. Os aspirantes a ditadores iniciam a sua conquista do poder atacando ou paralisando a imprensa e a informação livres. Vemos isto acontecer hoje espelhado nas notícias – quero dizer, nas notícias publicadas pela imprensa livre e independente.

Alguém conhece ditadores preocupados com as alterações climáticas, com a regulação dos sistemas financeiros globais, a desigualdade da riqueza, o futuro da energia, o excesso de população ou qualquer outra grande questão que saia fora das preocupações de controlo do poder e dos recursos por si, pela sua família e amigos, ou pelo partido a que pertencem? Na realidade não existe solução para os problemas mais graves da Humanidade sem Democracia. E não há Democracia sem responsabilização nem controlo do exercício do poder que só uma informação livre consegue garantir. E não existe informação livre, imprensa independente, sem que reportar as notícias volte a ser um negócio viável. Uma imprensa livre e independente é uma das fundações para a sobrevivência da Humanidade. E, já agora, sem uma imprensa livre as abelhas também estão condenadas.”

Sobre as boas intenções. Em meados de abril, o governo anunciou que iria apoiar diversos grupos de media com investimentos publicitários no valor de 15 milhões de euros, prometendo que avançaria com o dinheiro de campanhas futuras. Passaram-se cinco meses, numerosas reuniões e o processo, gerido pelo gabinete do secretário de Estado da Cultura, ainda não tem fim à vista – nem sequer princípio. Na realidade ninguém recebeu um cêntimo desses 15 milhões que eram anunciados como medida de emergência imediata para compensar a quebra de receitas em plena pandemia. Moral da história – o governo anunciou uma medida, fez figura de bom samaritano junto dos media, a opinião pública está convencida de que os milhões chegaram aos destinatários e estes continuam à espera do dia em de receber. Cinco meses para implementar uma medida de emergência é um bocado demais ou é só impressão minha? O efeito político de Costa, o bom samaritano da imprensa, já foi cumprido. O resto é o que menos interessa. Estou a ver mal o tema? De boas intenções está o inferno cheio…

Conselho Executivo da Nova Expressão, Agência de Planeamento de Media e Publicidade

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Fotografia: Arquivo/ Global Imagens

Transações de casas caíram 35,25% em abril. Preços começam a abrandar

(JOSÉ COELHO/LUSA)

Cadeias de retalho contra desfasamento de horários. Aguardam publicação da lei

hipermercadocontinente-10-512c7deb70a7ca55484e2abb8c98e447c8dae639

Banco de Horas.Depois do não adiamento, Continente e Fnac avançam para referendo

O que as abelhas têm que ver com a informação?