Opinião: Hugo Veiga

Opinião. O vício do agora

"Tornámo-nos dependentes e… vocês se importam que eu dê uma olhada no Instagram?"

Olá, meu nome é Hugo e estou há 12 segundos sem olhar para uma notificação no telemóvel… 13… 14… 15… Ish! Chegou uma mensagem no WhatsApp do grupo do condomínio. Vou só ver o que é e já volto para continuar a escrever este artigo. Esperem só um segundinho…

…… Voltei. Não era nada demais. A moradora do apartamento 113 encontrou algumas formigas gigantes e está a perguntar se o pessoal no prédio também está com o mesmo problema. Eu não, o meu problema é escrever este artigo agora e correr para o trabalho. Queria-vos falar do vício do agora, como estamos completamente escravizados pelo nosso telemóvel, pelas suas notificações e pela nossa necessidade de saber, constantemente, o que está a rolar pelo mundo. Hummmm. Desculpem, mas vou ter de fazer uma nova pausa. Fiquei a pensar na formiga da moradora do 113. Ela partilhou foto e é um monstrinho o bichinho. Será que a mordida dela é dolorosa? E se aparecer no meu apartamento? Logo eu que tenho a mania de andar descalço. Não estou a fim de ser mordido no pé por essa cria do demo. Vou só ali pesquisar no Google e já volto…

… Ufa, não é assim tão má. As mordidas doem um pouco, mas nada de grave. Grave é o tempo passando e este artigo sem avançar nada. Continuando: Para as pessoas da minha geração, que viveram a época do telefone de discar, o telemóvel é a 8.ª maravilha do mundo. Uma “coisa má linda”, com mais tecnologia embutida do que a que levou Neil Armstrong à Lua, sempre à distância do nosso braço. O problema desse portal do conhecimento é que se transformou num buraco negro de atenção. Tornámo-nos dependentes e… vocês se importam que eu dê uma olhada no Instagram? Postei uma foto incrível da luz do sol pela manhã irradiando sobre uma flor e uma cadeira. Ficou linda! E o pessoal está a curtir bués. Deixa só ver quantos likes já tem,… é só um segundinho…
……

Desculpem, demorei um pouco mais porque acabei fazendo um scroll down pelas fotos dos meus amigos. O bom é que só nesse período ganhei mais três likes. Estou com noventa e quatro!!!! Muito bom para uma imagem deste tipo. Se quiserem ver a foto, passem lá: @veigahugo. Aproveitem e… E NADA! O artigo… (Pelo amor de Deus, Hugo, foca-te no artigo. Foco. Foco). Então, talvez esteja na hora de nos conectarmos mais com o mundo real. E como qualquer grande mudança é difícil de acontecer de um dia para o outro, sugiro algumas pequenas mudanças de hábito:
1 Coloque o seu telefone virado para baixo ou no bolso (isto, se as notificações não vibrarem).
2 Deixe o telemóvel “dormir” na sala. Não o leve para o quarto. “Ah, mas é o meu despertador também.” Compre um despertador baratuxo.
3 Desative as notificações. Aqui, não falo daquelas necessárias à sua vida profissional. Falo das notificações de redes sociais e de apps.
4 …


M%$*#, entrei rapidinho no Facebook pra ver uma coisinha e acabei clicando no post de um amigo sobre o Sporting. Acabei num site desportivo, acabei vendo as notícias do meu FCP… (Casillas continua por mais uma época!!! Aê!!!)… acabei por ver uns vídeos idiotas e acabei por acabar com o número de carateres do artigo. Enfim, daqui a um mês falamos de novo. Aproveitando que terminei o artigo a tempo, vou só dar uma olhadinha no YouTube. Recebi a notificação de um novo vídeo do Porta dos Fundos.
Executive creative director do AKQA São Paulo

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje

Página inicial

Página inicial

Paulo Macedo presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos
(Orlando Almeida / Global Imagens)

Centeno dá bónus de 655.297 euros à administração da CGD

Outros conteúdos GMG
Opinião. O vício do agora