Opinião

Os caminhos da inovação para indústrias de sucesso

Olbo&Mehler_1

A indústria 4.0 veio para ficar, o que significa um novo período no contexto das grandes revoluções industriais.

Quando nos preparamos para entrar nos anos 20 do século XXI, em que a globalização é uma realidade por demais evidente, as indústrias têm de inovar e, por vezes, de se reinventar, para assegurar a sustentabilidade dos seus negócios. A indústria 4.0 veio para ficar, o que significa um novo período no contexto das grandes revoluções industriais. Vivemos numa era tecnológica sem precedentes, em que Portugal tem todas as condições para sair vencedor, ao contrário do que sucedeu nas revoluções anteriores em que o País não dispunha de recursos naturais, de recursos energéticos ou de uma posição geográfica favorável.

Embora não se possa adivinhar o futuro, há tendências que são visíveis e que podem ajudar as empresas e indústrias a prepararem-se melhor para os constantes desafios. Estas macro tendências podem efetivamente ser um farol no processo de inovação. Na Mehler, empresa que dirijo, estamos muito atentos às macro tendências e temos uma equipa que se dedica a procurar soluções para os desafios do futuro. Nesse processo, a inovação para nós não passa exclusivamente pelo produto, serviço ou processo produtivo. Na realidade, um dos nossos grandes focos é a inovação de clientes, quer através da criação de procura para produtos existentes em novas aplicações, quer pelo desenvolvimento de novas soluções para novas aplicações. A título de exemplo, estamos hoje a utilizar tecidos de basalto em aplicações até aqui desconhecidas para a indústria têxtil, trabalhando em conjunto quer com os nossos clientes quer com diferentes instituições de investigação.

Contudo, para que possamos prever e responder eficazmente às exigências do amanhã, temos de canalizar recursos (humanos, de infraestrutura, tecnológicos…), sistematizar processos, identificar os parceiros certos e estabelecer uma metodologia de trabalho rigorosa, com metas claras e objetivas, que dê capacidade aos gestores para se manterem um passo à frente da concorrência. Só assim conseguiremos manter a liderança no mercado de têxteis técnicos e fazer face à concorrência internacional, que, beneficiando de economias de escala, muitas vezes privilegia as chamadas soluções “standard”, não diferenciadas. Mas nem só de histórias de sucesso se faz a inovação. Temos de abraçar e aceitar o erro e o risco como parte natural do processo de evolução e desenvolvimento.

Assim, e para finalizar, penso que, apesar das dificuldades próprias dos negócios, o caminho da inovação é um caminho sem retorno. O destino é a diferenciação através da cocriação de valor com os nossos atuais e potenciais clientes no desenvolvimento de produtos e serviços inovadores. Se ultrapassarmos as voltas e reviravoltas deste processo, estaremos com certeza mais perto do sucesso e mais preparados para abraçar o futuro.

Alberto Tavares, CEO da Mehler

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
António Costa, primeiro-ministro português, em Bruxelas. EPA/CHRISTIAN HARTMANN / POOL

O que já se sabe que aí vem no Orçamento para 2020

A coordenadora da Frente Comum, Ana Avoila. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Os 0,3% que acabaram com a paz entre função pública e governo

Marcelo Rebelo de Sousa, Christine Lagarde e Mário Centeno. Fotografia: MIGUEL FIGUEIREDO LOPES/LUSA

Centeno responde a Marcelo com descida mais rápida da dívida

Outros conteúdos GMG
Os caminhos da inovação para indústrias de sucesso