Opinião: António Saraiva

Os ventos estão a mudar

O ministro das Finanças, Mário Centeno. ANDRÉ KOSTERS / LUSA
O ministro das Finanças, Mário Centeno. ANDRÉ KOSTERS / LUSA

Os últimos dados económicos divulgados pelo Eurostat e a OCDE estão a provocar uma onda de pessimismo, com a perspetiva de uma nova recessão mundial a assustar os mercados.

É certo que os números estão longe de ser animadores. As quatro maiores economias do centro da Europa – Alemanha, França, Itália e Reino Unido, que juntas representam 62% do PIB da União Europeia – dão sinais de fraqueza. A Alemanha e o Reino Unido estão em risco de entrar em recessão no terceiro trimestre, a Itália está estagnada e a França continua a crescer muito modestamente.
Poderá a economia portuguesa evitar, neste cenário, uma nova recessão?

É evidente que os problemas das principais economias europeias, destino de 28% das exportações portuguesas, não deixarão de ter um impacto negativo na nossa economia. No entanto, é preciso combater a ideia resignada e determinística de que não seremos capazes de crescer mais num cenário internacional mais adverso.

Em primeiro lugar, o panorama traçado pelo Eurostat mostra-nos que, apesar da fraqueza das grandes economias do centro, a periferia da União Europeia regista taxas de crescimento bem mais elevadas, num processo de rápida convergência económica. Pelo menos sete países europeus cresceram a taxas iguais ou superiores a 3% no segundo trimestre deste ano. Outros cinco, cujos dados para o segundo trimestre ainda não são conhecidos, cresceram acima desta taxa no primeiro trimestre. Entre eles está a Irlanda, o país europeu potencialmente mais vulnerável à deterioração do relacionamento com os Estados Unidos e ao Brexit, cujo PIB aumentou 6,3%.

Todos estes 12 países europeus registam um peso das exportações no PIB superior ao de Portugal e, em muitos deles, a dependência dos grandes mercados do centro da Europa é superior à que se observa em Portugal.

Isto prova que é possível, mesmo em economias abertas, crescer de forma robusta num cenário externo desfavorável.

Em segundo lugar, face aos riscos que se avolumam, desenham-se já medidas de política económica para contrariar o seu impacto. O BCE confirmou que está a preparar um pacote de estímulos à economia, que irá combinar uma série de instrumentos. Na Alemanha, a ameaça de recessão poderá ser o catalisador necessário para o abandono da sua obstinada postura de excedentes orçamentais. O ministro das Finanças alemão já admitiu que poderia lançar um pacote de estímulo da ordem dos 50 mil milhões de euros.

Isto prova que a política económica importa, podendo e devendo ser manejada de forma a contrariar evoluções indesejadas da economia.

Também isso se aplica a Portugal. Não teremos a mesma margem de manobra da Alemanha, mas podemos certamente redirecionar a política orçamental num sentido mais favorável à atividade económica, tanto pela via da fiscalidade como pela do investimento público.

Quando os ventos mudam, não basta dizer que estamos no bom caminho, é preciso manobrar o leme e ajustar as velas.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Angel Gurría, secretário-geral da OCDE, e Pedro Siza Vieira, ministro da Economia. Fotografia: Diana Quintela/ Global Imagens

OCDE. Famílias portuguesas podem perder 50% do rendimento se vier uma nova crise

Angel Gurría, secretário-geral da OCDE, e Pedro Siza Vieira, ministro da Economia. Fotografia: Diana Quintela/ Global Imagens

OCDE. Famílias portuguesas podem perder 50% do rendimento se vier uma nova crise

Alberto Souto de Miranda
(Gerardo Santos / Global Imagens)

Governo. “Participar no capital” dos CTT é via “em aberto”

Outros conteúdos GMG
Os ventos estão a mudar