Poderá a tecnologia evitar um novo confinamento?

Vivemos atualmente com um novo plano de contingência, com novas medidas face à situação epidemiológica que todos vivemos. A Covid-19 colocou o mundo à procura de soluções que contrariem o atual cenário. Obrigou Portugal e os seus decisores públicos e privados a reorganizarem-se, a procurar soluções.

Mas estarão todos os sectores, principalmente o retalhista, preparados para antecipar cenários e tomar decisões que contrariem o encerramento total como assistimos em março? Estará o sector retalhista munido do que precisa para agir em tempo real e à mesma velocidade que a pandemia evolui? Arrisco-me a dizer que não.O sector retalhista é um dos sectores mais fustigados, tendo cerca de 50% das empresas declarado falência durante a pandemia (620 em cada 1.313 empresas). Os empresários deste sector procuram alternativas que, por um lado, ajudam a impulsionar a economia nacional, e por outro ajudam a preservar os 706,4 mil postos de trabalho gerados pelo sector em Portugal. Só este sector contribui 2,47% para o Produto Interno Bruto (PIB). Entre março e maio de 2020, todos os estabelecimentos do sector retalhista foram obrigados a fechar, exceto os considerados essenciais (padarias, supermercados, farmácias, etc.). Esta situação provocou uma redução de 6,6% nas vendas do sector durante o mês de junho, de acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE).É um sector frágil caso o nosso cenário se torne igual ao que já assistimos na vizinha Espanha e Reino Unido, com cidades encerradas e isoladas. Esta afirmação torna-se ainda mais preocupante quando apenas 20% do sector retalhista utiliza e-commerce para vender os seus produtos. Mas como contrariar esta realidade que parece tão próxima? Acredito que com o correto uso da tecnologia que já temos ao nosso dispor e na que está a ser diariamente aprimorada e desenvolvida, como os sistemas de informação geográfica (SIG), será possível reorganizar o sector e ajudá-lo a evoluir. Com os SIG é possível em tempo real perceber o comportamento dos clientes e perceber a evolução das compras de uma localidade específica. Este dado específico pode ser decisivo para que a empresa se possa munir de soluções logísticas (como a criação de uma Dark Store nessa zona) e desta forma conseguir dar resposta a uma zona do país que está com necessidades especiais e que mesmo que exista um encerramento, a distribuição não irá parar, nem sofrer atrasos de entrega.Esta solução tecnológica e este pequeno exemplo que vos deixo, já é usada em países como os Estados Unidos da América, e os relatos são bastante positivos. Com os SIG os retalhistas podem também utilizar dados confiáveis que lhes permitem identificar as áreas onde há maior probabilidade de contágio, recondicionar o espaço físico da empresa ou mapear ativos e pessoas para que sejam evitados novos focos de contágio. Os Sistemas de Informação Geográfica (SIG) podem ser a grande solução para controlar e tomar medidas de segurança complementares às que já são obrigatórias. A tecnologia SIG pode também ser uma grande aliada para contrariar as projeções de recessão do país, que segundo o Fundo Monetário Internacional (FMI) podem ser de 8%, e combater uma taxa de desemprego que este ano de 2020 prevê alcançar 13,9%.Em Portugal, os SIG também já são diariamente utilizados pela Direcção Geral da Saúde, para comunicar a evolução epidemiológica do País. Está ao serviço de todos. A informação no momento exato pode fazer diferença e evitar cenários, como novas medidas de contingência, e consequentemente um novo encerramento.*CEO ESRI Portugal

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de