Opinião

Preferir a produção nacional

rui rosa dias

Os consumidores têm de estar conscientes que as suas opções de escolha e de compra podem fazer toda a diferença.

A Covid-19 vai potenciar o consumo. Será expectável que seja um processo lento, dentro da normalidade, pois a (re)educação para um consumo, mais consciente e sustentável, acarreta um conjunto amplo de medidas: umas de cariz económico, outras de comunicação e sensibilização. Porém, as crises, especialmente esta da Covid-19, são sempre uma oportunidade enorme para intensificar a mensagem de que a produção e o consumo de produtos nacionais, poderão ser, uma fonte objetiva de equilíbrio, nomeadamente face aos impactos negativos que as contas da nossa Nação vão sofrer.

A psicologia e a sociologia do consumo, absorvem os padrões e hábitos de compra, constituindo dimensões do comportamento humano, com especificidades próprias e por vezes muito complexas. Aliás muito mais complexas do que o fenómeno do rendimento disponível para compras de alimentos. A equação do rendimento disponível, a dos preços, a das elasticidades da procura e a da utilidade, entre outras, são meros apêndices ao órgão principal: o processo de decisão, visto do ponto de vista sociológico, antropológico e psicológico. Nestas áreas, onde o marketing agroalimentar se vem paulatinamente posicionando, é que residem os grandes desafios para se melhor entender a dimensão e importância que o consumidor efetivamente (mas sem saber), tem. O poder de compra não é, só, económico. O poder de compra, vai passar a ser mais, o poder de escolha. Isso sim, é que representa o poder que o consumidor tem. Poder para selecionar produtos, marcas, origens e canais onde comprar. Isso sim, é poder de compra. É bem verdade que o consumidor tem um poder enorme. É bem verdade que, a este respeito, a iliteracia do consumo demonstra-se gritante. Está claro que os sistemas de ensino atuais, deveriam desde muito cedo, ter como unidades curriculares obrigatórias, o consumo responsável e a cidadania agroalimentar e florestal.

Há uma apetência natural do consumidor, que em circunstâncias desta magnitude, se assume mais como ser humano do que propriamente como consumidor, sem entender qual é verdadeiramente o seu papel na sociedade de consumo. É o despertar para a realidade. É claramente o aproveitar do tempo de reflexão que o comprador vai estimulando, que o leva a exercer um pensamento crítico sobre a sua importância, enquanto indivíduo, para a melhoria do todo.

Nestes casos, em que os apelos são claros à unidade Nacional, à preservação da nossa saúde, da nossa economia e da nossa felicidade, o ser humano, passa de um patamar de comprador funcional, para um de consumidor cujo comportamento de compra, impulsiona claramente dois impactos que se complementam: o impacto social alavancado no conceito de cidadania e, naturalmente, o impacto económico, procurando a preservação da economia nacional. Destaco ainda como efeito colateral, mas a ter em linha de conta, o facto de muitos consumidores aproveitarem o atual momento, para incorporar o “life changing”, como novo status de consumo. Afinal eu posso mudar … e contribuir para uma mudança ainda maior.

Os consumidores têm de estar conscientes que as suas opções de escolha e de compra podem fazer toda a diferença. No entanto, a “redutora” lei de Engel, continuará a ser uma forte fonte de inspiração, para todos aqueles que teimam em encarar a produção nacional, apenas no eixo económico e da competitividade, assente no binómio custo/preço de venda. A alimentação, a compra e o consumo de alimentos, são muito, mas mesmo muito mais, do que isso.

Importa pensar que todos podemos contribuir para impulsionar a produção nacional, dando preferência a produtos nacionais em sectores estratégicos, e assim, apoiar uma recuperação mais rápida da nossa economia.

Rui Rosa Dias, professor do IPAM

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Nazaré Costa Cabral, presidente do Conselho de Finanças Públicas. (João Silva / Global Imagens)

Cenário severo em 2020. Défice nos 9%, dívida em 142%, desemprego nos 13%

O primeiro-ministro, António Costa. Fotografia: António Cotrim/Lusa

Apoios à TAP formalizados “em breve” depois de consultas com Bruxelas

Foto: Fábio Poço/Global Imagens)

Costa promete linha para converter AL em arrendamento para jovens

Preferir a produção nacional