catarina beato

Procura-se startup com projecto para descodificar adolescentes

Como montar uma startup

Fica o desabafo de quem tem um filho adolescente: procuro uma startup que desenvolva um projecto para estes anos de difícil sintonia.

Existem negócios para dar resposta a quase todas as necessidades, alguns serão necessários, outros dispensáveis, mas a verdade é que é possível pagar para que nos resolvam quase tudo.

Eu fico impressionada, fico mesmo, acho brilhante, admiro as pessoas que transformam ideias em projectos que fazem dinheiro, gosto de ideias que facilitam a vida. Sou defensora de gastar menos para viver melhor, sei que às vezes aquilo que gastamos num serviço pode significar poupar tempo – e sim, isso também vale dinheiro – ou simplesmente poupar-nos – e isso ainda vale mais – e estarmos disponíveis para produzir mais e melhor. Não pagamos apenas por aquilo que não sabemos fazer, ou por aquilo que alguém sabe fazer melhor, também pagamos para que alguém faça aquilo que nos deixa libertos para fazer outras coisas.

Existem negócios para quase tudo e ainda ninguém inventou uma solução – tecnologicamente avançada ou mais tradicional – para compreender os adolescentes. Eu já vi descodificadores do choro dos bebés, capazes de identificar as necessidades das criaturas não falantes, há babysitters, atividades e brinquedos de todos os formatos e para todos os gostos para os miúdos que crescem. Já inventaram tudo – quase tudo, porque há sempre mais alguma coisa por descobrir – com o objetivo de facilitar a vida dos pais. Mas – maldito “mas” – depois chega a adolescência e atravessamos o deserto. Ninguém inventou uma máquina que acalme as hormonas e descodifique as angústias. Ninguém descobriu a atividade perfeita, aquela de que todos os adolescentes gostariam e os faria felizes, mas que lhes garantisse saúde, a física e a emocional.

Fica o desabafo de quem tem um filho adolescente: procuro uma startup que desenvolva um projeto para estes anos de difícil sintonia, de angústia de quem se procura e dos pais que assistem a isso. Não tenho ideias para o negócio, mas tenho a certeza absoluta que existe mercado.

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Outros conteúdos GMG
Hoje
Indústria do calçado. 
Fotografia: Miguel Pereira/Global Imagens

Portugal regressou ao Top 20 dos maiores produtores de calçado

Mina de carvão perto da cidade de Oaktown, Indiana, Estados Unidos. (EPA/TANNEN MAURY)

Capacidade de produção de carvão caiu pela primeira vez

(EPA/RITCHIE B. TONGO)

Microsoft mantém discussões para compra da filial da TikTok nos EUA

Procura-se startup com projecto para descodificar adolescentes