Opinião

Quanto custa um doutoramento?

"(...) é um trabalho instável porque não há uma verdadeira política de investigação em Portugal"

A maioria dos doutorados em Portugal têm como atividade principal a docência, seguida da atividade de investigação e apenas uma parte residual exerce atividade nas empresas. Excluindo o emprego de carreira no ensino superior público e privado, é um trabalho instável porque não há uma verdadeira política de investigação em Portugal, há um distanciamento entre a academia e a indústria, e há um desfasamento entre o perfil dos doutorados e as competências procuradas pelas empresas.

Entende-se, portanto, que o doutoramento é, para muitos, condição para preservar um emprego estável na carreira académica. A propósito destes doutorados, questiono-me sobre a capacidade científica de alguns quando observo que as suas teses nunca deram lugar a produção científica, nunca foram capazes de publicar artigos em revistas internacionais com arbitragem científica e nem sequer foram capazes de publicar artigos na forma de capítulo em livros científicos. Consequentemente, também, por exemplo, nunca serão membros de corpos editoriais de distintas revistas científicas.

Conjugando esse facto com a audição permanente de que há negócio e falsificação de teses, questiono-me sobre a forma como esses doutorados obtiveram o grau – terão plagiado ou pago a alguém pela elaboração da tese? É bem provável! Mas se assim foi, para a sociedade esse grau não vale nada e para o doutorando não tem preço.

É suposto admitir que o aumento de graus de doutoramento deste calibre terá facilitado a composição de júris “amigos” de novas provas, autoalimentando o círculo vicioso. E é tanto assim que, ao que consta, no caso raro de deteção de fraude, em Portugal, não há lugar a expulsão e a penalização é discreta. É-se convidado a retirar a tese, podendo geralmente ser redefendida mais tarde com algumas pequenas alterações, pelo que o crime é compensador.

Como alterar o cenário? Recomendo que, caso a tese chegue à defesa com publicações científicas relevantes, o título de doutorado seja atribuído de modo definitivo. Caso contrário, que o grau seja atribuído condicionalmente por um período de tempo, findo o qual um conselho científico competente decidiria sobre a nomeação definitiva.

Presidente do OBEGEF e docente da FEP

Comentários
Outras Notícias que lhe podem interessar
Hoje
Carlos Costa, Governador do Banco de Portugal. Fotografia: Gustavo Bom / Global Imagens

Carlos Costa avisa para riscos de euforia no mercado imobiliário

Faria de Oliveira, presidente da APB. Fotografia: Diana Quintela/Global Imagens)

Faria de Oliveira: Banca nacional teve legislação mais difícil que pares da UE

Imobiliário

Venda de casas subiu 20% no primeiro semestre

Outros conteúdos GMG
Quanto custa um doutoramento?