Reindustrializar para ganhar

Uma das apostas defendidas por António Costa Silva na sua Proposta Estratégica prende-se com a Reindustrialização. Um tema que esteve na ordem do dia há cerca de seis anos e que volta novamente à agenda pública. Num tempo em que voltamos a ter que discutir o futuro. De facto, vinte e cinco anos depois do Professor de Harvard Michael Porter ter realizado um profundo diagnóstico sobre as opções da economia portuguesa, mantém-se o problema central – ou se reinventa por completo o Modelo Económico ou os indicadores de competitividade tenderão a degradar-se de forma progressiva. Como há 25 anos torna-se claro que a Competitividade Portuguesa é o grande desafio nos próximos tempos! Por isso, mais do que nunca, o ponto é muito claro – temos que reindustrializar para ganhar.

Falta em Portugal um sentido de entendimento colectivo de que a aposta nos Fatores Dinâmicos de Competitividade, numa lógica territorialmente equilibrada e com opções estratégicas claramente assumidas é o único caminho possível para o futuro. Falta por isso em Portugal uma verdadeira Rede Integrada para a Competitividade capaz de produzir efeitos sistémicos ao nível do funcionamento das organizações empresariais. O “novo paradigma” da Economia Portuguesa radica nesse sentido na capacidade de os resultados potenciados pela inovação e conhecimento serem capazes de induzir novas formas de integração social e territorial capazes de sustentar um equilíbrio global do sistema nacional.

Uma breve radiografia à matriz sectorial da economia portuguesa demonstra de forma inequívoca as alterações contextuais produzidas ao longo destes últimos vinte e cinco anos, com impactos directos na própria organazação da sociedade. Para além do desenvolvimento duma nova economia de serviços, de âmbito eminentemente local e com impacto reduzido em matéria de criação de valor sustentado, é de referir também o fenómeno de progressiva desindustrialização, entretanto acentuado nos anos mais recentes e o ténue desenvolvimento de novos clusters associados às dinâmicas da Inovação e Desenvolvimento. Trata-se duma evolução manifestamente assimétrica, com efeitos negativos em matéria de renovação dos indicadores ativos de capital estratégico.

A aposta num Novo Portugal Industrial deve dar prioridade a duas áreas de intervenção sistémica – profunda renovação organizativa e estrutural dos sectores (sobretudo) industriais e aposta integrada na utilização da Inovação como factor de alavancagem de criação de valor de mercado. A mobilização activa dos “actores económicos” numa lógica de pacto estratégico operativo permanente era uma condição central no sucesso desta nova abordagem, sob pena de intervenções isoladas não conseguirem produzir de facto os efeitos desejados. Passado todo este tempo, a leitura dos resultados não é nada abonatória - excluindo os muito conhecidos e divulgados casos de reconversão interna e sectorial conseguida com algum sucesso, na maior parte dos sectores industriais clássicos não foi feita a renovação necessária e os fechos de empresas e perda de quota efectiva de alguns mercados é o resultado mais do que evidente.

Uma Nova Economia, capaz de garantir uma Economia Nova sustentável, terá que se basear numa lógica de focalização em prioridades claras. Assegurar que o IDE de Inovação é vital na atracção de Competências que induzam uma renovação activa estrutural do tecido económico nacional; mobilizar de forma efetiva os Centros de Competência para esta abordagem ativa no Mercado Global – mas fazê-lo tendo em atenção critérios de racionalidade estratégica definidos à partida, segundo opções globais de política pública, que tenham em devida atenção a necessidade de manter níveis coerentes de coesão social e territorial. Apostar num Novo Portugal Industrial é dar à competitividade portuguesa um novo sentido de oportunidade.

Francisco Jaime Quesado, economista de gestor – especialista em Inovação e Competitividade

Recomendadas

Outros Conteúdos GMG

Patrocinado

Apoio de